Mercado fechado

Operação identifica grupo que fraudou a Previdência em R$ 7 milhões

Lu Aiko Otta

Entre os detidos, está o suposto líder, que cometia irregularidades contra o sistema desde os anos 1980 A Justiça Federal determinou a prisão preventiva de três pessoas integrantes de um grupo que fraudava a Previdência Social, informou o Ministério da Economia nesta quarta-feira. Entre os detidos, está o suposto líder, que cometia irregularidades contra o sistema desde os anos 1980.

Agência Brasil

O esquema obteve ilegalmente pelo menos 140 benefícios, entre auxílios-doença e aposentadorias por invalidez, no valor aproximado de R$ 7 milhões. A suspensão dos pagamentos proporcionará economia futura de R$ 11 milhões.

Além das prisões, foram expedidos 12 mandados de busca e apreensão em Salvador e Camaçari (BA) e Aracaju.

O esquema foi detectado em 2016, informa o Ministério da Economia em nota. A Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária (CGInt), da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, notou diversos processos requeridos em Sergipe, cujos beneficiários eram originários da Bahia.

Foram notados “indícios de falsidade nos relatórios e laudos médicos apresentados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)”. Os registros laborais que deram base à concessão dos benefícios “apresentavam padrões suspeitos” e foram informados fora do prazo legal pelos supostos empregadores.

De acordo com a pasta, o esquema contava com a ajuda de um técnico de contabilidade, um servidor do INSS e uma pessoa que obtinha os laudos médicos falsos.