Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,69
    +0,49 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.762,50
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.461,16
    +254,08 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.499,50
    -25,25 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4518
    -0,0974 (-1,76%)
     

Opep volta a revisar para baixo previsão da demanda de petróleo para 2022 e 2023

A Opep revisou levemente para baixo suas previsões de aumento da demanda de petróleo para 2022 e 2023, segundo um relatório publicado nesta segunda-feira (14), que aponta para a política anticovid da China e um contexto instável.

"A previsão de crescimento da demanda mundial de petróleo para 2022 é revisto para baixo em 0,1 milhão de barris diários (mb/d) até os 2,5 mb/d", diz o cartel de países exportadores de petróleo em seu relatório mensal de novembro.

A demanda total de petróleo seria agora de 99,6 mbd ao ano.

Os autores do informe explicam que a demanda no terceiro e no quarto trimestres foi "revista para baixo pela política de covid zero da China, as incertezas geopolíticas persistentes e uma atividade econômica menor".

No segundo trimestre, a demanda foi finalmente revista em leve alta, impulsionada por dados melhores do que o previsto nos principais países consumidores da OCDE, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos, com sede em Paris.

Para 2023, a Opep se mostra menos otimista do que em outubro e prevê um aumento da demanda em 2,2 mb/d (uma redução de 0,1 mb/d), até os 101,8 mb/d.

"O crescimento da demanda de petróleo" terá como desafios "as incertezas relacionadas à atividade econômica, as medidas contra a covid-19 e os desenvolvimentos geopolíticos", analisa a OPEP.

Em um estudo sobre a situação das reservas mundiais, a OPEP observou "a aparente passagem de um déficit para um superávit em termos de oferta de petróleo", devido a uma inversão da tendência no segundo e no terceiro trimestres.

ngu/jbo/clr/sag/mar/mvv