Mercado abrirá em 9 h 34 min

Opep volta a cortar previsão de demanda por petróleo em 2021 por avanço da Covid

·2 minutos de leitura
Logo da Opep na sede do grupo de produtores de petróleo em Viena
Logo da Opep na sede do grupo de produtores de petróleo em Viena

LONDRES (Reuters) - A demanda mundial por petróleo terá recuperação mais lenta em 2021 do que se pensava anteriormente devido ao aumento dos casos de coronavírus, disse a Opep nesta terça-feira, em mais um sinal das dificuldades enfrentadas pelo grupo e seus aliados enquanto buscam reequilibrar o mercado.

A demanda deve aumentar em 6,54 milhões de barris por dia (bpd) no próximo ano, para 96,84 milhões de bpd, disse a Organização dos Países Exportadores de Petróleo em relatório mensal. A previsão de crescimento é quase 80.000 bpd inferior à divulgada um mês atrás.

Os preços do petróleo despencaram à medida que a crise do coronavírus reduziu viagens e restringiu a atividade econômica. Embora no terceiro trimestre uma flexibilização de medidas restritivas tenha permitido uma recuperação da demanda, a Opep vê o ritmo de melhoria econômica desacelerando novamente.

"Embora a recuperação do 3T20 em algumas economias tenha sido impressionante, a tendência de curto prazo permanece frágil, em meio a uma variedade de incertezas em curso, especialmente a trajetória de curto prazo da Covid-19", disse a Opep sobre as perspectivas econômicas.

"Como essa incerteza se torna grande, em meio a um forte aumento global de infecções, não se espera que a recuperação considerável do 3T20 continue no 4T20 e em 2021."

A Opep tem reduzido constantemente sua previsão de crescimento da demanda de petróleo em 2021 desde uma projeção de 7 milhões de bpd inicialmente apresentada em julho.

O grupo também cortou sua estimativa da demanda mundial de petróleo no atual trimestre em 220.000 bpd.

Para este ano, a projeção é de que a demanda por petróleo deve ter uma contração histórica de 9,47 milhões de bpd, segundo a Opep, que manteve inalterada previsão anterior.

A Opep também previu que a demanda por seu petróleo será 200.000 bpd menor do que o esperado antes no próximo ano, devendo atingir 27,93 milhões de bpd, devido à perspectiva de redução da demanda global.

(Reportagem de Alex Lawler)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC