Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.068,22
    +300,17 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Opep vê coronavírus prejudicando recuperação da demanda por petróleo em 2021

Por Alex Lawler
·2 minuto de leitura
Logo da Opep no edifício-sede do grupo de produtores de petróleo em Viena
Logo da Opep no edifício-sede do grupo de produtores de petróleo em Viena

Por Alex Lawler

LONDERS (Reuters) - A demanda global por petróleo vai se recuperar mais lentamente em 2021 do que previsto antes devido aos números em alta de casos de coronavírus, disse a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) nesta quarta-feira, o que prejudicará esforços do grupo e aliados para apoiar o mercado.

A demanda deve crescer em 6,25 milhões de barris por dia (bpd) no próximo ano, para 96,26 milhões de bpd, disse a Opep em relatório mensal. O crescimento esperado é 300 mil bpd inferior ao previsto há um mês.

O enfraquecimento na recuperação da demanda poderia dar argumentos para que a Opep e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, adie um programado aumento na oferta de petróleo no próximo ano.

O mais recente relatório foi publicado antes de uma reunião de um painel consultivo da Opep na próxima semana e antes de uma reunião do grupo sobre sua política de produção, em 30 de novembro e 1° de dezembro.

A Opep disse que movimentos recentes de governos europeus para fechar restaurantes e incentivar pessoas a trabalhar de casa vão atingir a demanda por petróleo no restante de 2020, enquanto o impacto da pandemia sobre o mercado deve durar até meados do ano que vem.

"A recuperação da demanda por petróleo será severamente prejudicada e a fraqueza na demanda por combustíveis para transporte e indústria agora está estimada para durar até meados de 2021", disse a Opep no relatório.

Os preços do petróleo subiram nesta semana e tocaram máxima de mais de dois meses, acima de 45 dólares por barril, após as farmacêuticas Pfizer e BioNTech afirmarem que sua vacina para Covid-19 mostrou mais de 90% de eficiência em testes iniciais.

A Opep disse que "uma vacina eficaz e amplamente distribuível" poderia fornecer suporte para a economia já no primeiro semestre de 2021.

Para enfrentar o colapso na demanda deste ano, a Opep+ iniciou um corte recorde de oferta de 9,7 milhões de barris/ dia desde 1º de maio, o que representa cerca de 10% do consumo global de petróleo.

O corte foi reduzido para 7,7 milhões de bpd em agosto e a Opep+ planeja uma redução adicional no próximo ano, aumentando a oferta em 2 milhões de bpd a partir de janeiro.

Mas, com os casos de Covid-19 subindo, a Argélia disse que apoia a manutenção dos cortes atuais, enquanto a Arábia Saudita disse esta semana que o acordo poderia ser ajustado, talvez além do que os analistas esperam.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC