Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.316,82
    +917,00 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Opep+ rejeita apelo de Biden para acelerar aumento da produção

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- A Opep e aliados decidiram manter o lento ritmo de aumento da produção de petróleo, ignorando o pedido do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para acelerar a reposição de barris.

Most Read from Bloomberg

Após uma breve reunião na quinta-feira, o grupo aprovou um aumento da produção de 400 mil barris por dia para dezembro, segundo delegados. É um ritmo que os maiores consumidores dizem ser lento demais para sustentar a recuperação econômica pós-Covid. O governo dos EUA pediu o dobro desse volume.

O cartel agora pode enfrentar uma dura disputa com a Casa Branca em meio a crescentes expectativas de que os EUA poderiam acessar os estoques de petróleo de emergência em uma tentativa de baixar os preços.

O que acontecer nas próximas semanas terá implicações importantes para a economia global, afetada pelos altos preços da energia, e para a agenda política doméstica de Biden, cuja popularidade mergulha com o salto da inflação. O confronto também pressiona ainda mais a relação cada vez mais frágil dos EUA com seu mais forte aliado no Oriente Médio, a Arábia Saudita.

Ainda pode haver espaço para o grupo acelerar o ritmo de aumento da oferta, mesmo dentro das restrições do acordo fechado na quinta-feira. Nos últimos meses, a Opep+ tem falhado consistentemente em atingir as próprias metas devido a problemas de produção em membros como Nigéria e Angola.

Outros países, como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, têm capacidade suficiente para compensar a diferença, embora o acordo de quinta-feira não tenha detalhado nenhum mecanismo para isso, segundo delegados, que não quiseram ser identificados.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos