Mercado fechará em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    107.659,48
    -1.062,10 (-0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.571,94
    -477,11 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,85
    +2,74 (+3,70%)
     
  • OURO

    1.890,50
    +11,00 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    23.166,91
    +113,43 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    532,96
    +7,00 (+1,33%)
     
  • S&P500

    4.146,41
    +35,33 (+0,86%)
     
  • DOW JONES

    34.043,82
    +152,80 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.622,00
    +106,50 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5442
    +0,0249 (+0,45%)
     

Opep+ pode fazer cortes mais profundos após tombo do petróleo

(Bloomberg) -- A Opep e seus aliados devem cogitar maiores cortes de oferta quando se reunirem neste fim de semana em meio à fraqueza do mercado global de petróleo.

A Arábia Saudita e seus parceiros surpreenderam o mercado — e foram repreendidos pelo presidente Joe Biden — quando anunciaram um corte de 2 milhões de barris por dia no mês passado. Mesmo assim, os preços caíram desde então, e são negociados abaixo de US$ 80 o barril em Nova York, com a deterioração da situação na China.

Delegados do grupo, que até esta semana previam que fariam uma pausa para avaliar o impacto dos cortes, agora dizem que reduções adicionais podem ser uma opção. As discussões dentro da aliança ainda não começaram formalmente, antes da reunião de 4 de dezembro.

Riad já enviou ao mercado um sinal claro antes da reunião. Na semana passada, o ministro saudita de energia, o Príncipe Abdulaziz bin Salman, disse que a Opep+ estava “pronta para intervir” com mais reduções de produção se fosse necessário “equilibrar a oferta e a demanda”.

“A Opep provavelmente escolherá entre manutenção ou novos cortes”, disse Amrita Sen, analista-chefe de petróleo e cofundadora da consultora Energy Aspects. Eles “estão sempre vigilantes sobre o equilíbrio entre oferta e demanda”.

Dez dos 16 operadores e analistas consultados pela Bloomberg esta semana anteciparam um novo corte, com estimativas variando de 250.000 a 2 milhões de barris por dia. A FGE prevê que o corte pode estar no topo do intervalo.

Enquanto a Opep e seus parceiros parecem estar focados nos riscos negativos para o mercado, existem forças positivas. O West Texas Intermediate se recuperou até 3,1%, para US$ 79,65 o barril na terça-feira, com os sinais de prontidão do grupo para agir.

A aliança continua sob pressão de nações consumidoras para ajudar a combater a inflação e manter as torneiras abertas. Cortes adicionais correriam o risco de prejudicar ainda mais as relações entre o governo Biden e a Arábia Saudita.

Os mercados globais estão apertados de acordo com alguns indicadores, com os estoques nos países desenvolvidos no nível mais baixo desde 2004.

No dia seguinte à reunião da Opep+, a União Europeia deve impor uma proibição às importações marítimas de petróleo da Rússia, enquanto um limite de preço sobre o petróleo do país também está em discussão por diplomatas da UE

--Com a colaboração de Devika Krishna Kumar, Yongchang Chin e Ben Bartenstein.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.