Mercado fechado

Opep monitora de perto retomada de produção de petróleo na Líbia, dizem fontes

Por Alex Lawler
·1 minuto de leitura
Trabalhador em unidade de petróleo de Zueitina
Trabalhador em unidade de petróleo de Zueitina

Por Alex Lawler

LONDRES (Reuters) - A Opep e seus aliados estão acompanhando esforços para retomada da produção de petróleo na Líbia muito de perto, disseram fontes do grupo nesta segunda-feira, embora os produtores ainda devam esperar para ver se haverá um recomeço sustentável antes de qualquer reação.

A Líbia, que faz parte da Opep, está isenta de cortes de produção sob um acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados para restringir a oferta. Uma retorno da produção líbia poderia forçar outros países a cortes adicionais para apoiar os preços.

Os preços do petróleo Brent, referência internacional, operavam perto de 42 dólares por barril nesta segunda-feira, recuando em meio à expectativa de possível retorno da Líbia ao mercado. A produção do país estava praticamente paralisada desde janeiro, e o retorno aconteceria em momento em que a alta no número de casos de coronavírus gera preocupações com a demanda.

Três fontes da Opep disseram que será preciso algum tempo para avaliar a situação.

"Neste estágio, precisamos assistir por algum período", disse uma fonte da Opep, que falou sob anonimato. "Mas o mercado está reagindo muito rápido com um sentimento baixista."

Uma segunda fonte disse que a organização está acompanhando muito atentamente a produção da Líbia, enquanto uma outra fonte próxima à Opep disse que a produção da Líbia é menos preocupante do que um possível novo enfraquecimento da demanda devido a novas medidas de restrição contra o coronavírus.

A National Oil Corp (NOC) da Líbia disse no sábado que retirou a força maior sobre portos e instalações que considera seguras e que estava em procedimentos para retomada em algumas localidades, após um bloqueio à produção de petróleo que começou em janeiro.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC RS