Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,99
    +2,50 (+3,15%)
     
  • OURO

    1.672,30
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    18.976,04
    -335,68 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    10.999,00
    -36,50 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    -0,0039 (-0,07%)
     

Opep mantém visão otimista sobre crescimento da demanda por petróleo em 2022 e 2023

Imagem do logo da Opep em Argel

Por Alex Lawler

LONDRES - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve, nesta terça-feira, suas previsões de crescimento robusto da demanda global por petróleo em 2022 e 2023, citando sinais de que as principais economias estão se saindo melhor do que o esperado, apesar de ventos contrários como o aumento da inflação.

A demanda por petróleo aumentará 3,1 milhões de barris por dia (bpd) em 2022 e 2,7 milhões de bpd em 2023, inalterados em relação ao mês passado, informou a Opep em um relatório mensal.

O consumo de petróleo se recuperou dos mínimos da pandemia, embora os preços altos e os surtos de coronavírus na China tenham reduzido as projeções de crescimento para 2022.

A Opep agora vê a demanda ultrapassar a de 2019 em 2023, tendo dito, este ano, que esperava que isso acontecesse em 2022.

"Espera-se que a demanda por petróleo em 2023 seja apoiada por um desempenho econômico ainda sólido nos principais países consumidores, bem como potenciais melhorias nas restrições do Covid-19 e incertezas geopolíticas reduzidas", disse a Opep no relatório.

O grupo e aliados, incluindo a Rússia, conhecidos coletivamente como Opep+, aumentaram este ano a produção de petróleo, à medida que procuram reduzir os cortes recordes implementados em 2020 após a pandemia reduzir a demanda.

No entanto, nos últimos meses a Opep+ não conseguiu atingir seus aumentos de produção planejados devido ao subinvestimento em campos petrolíferos por alguns membros e por perdas na produção russa.

(Reportagem de Alex Lawler)