Mercado fechará em 2 h 25 min
  • BOVESPA

    103.635,12
    +1.719,66 (+1,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.627,75
    +929,03 (+1,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,36
    +2,18 (+3,29%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +9,10 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    58.731,24
    +1.204,36 (+2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.497,78
    +28,70 (+1,95%)
     
  • S&P500

    4.648,23
    +81,23 (+1,78%)
     
  • DOW JONES

    34.961,04
    +477,32 (+1,38%)
     
  • FTSE

    7.178,26
    +118,81 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.419,25
    +268,75 (+1,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3764
    +0,0064 (+0,10%)
     

Opep+ mantém cautela no aumento da produção de petróleo em dezembro

·2 min de leitura
Refinaria de petróleo da gigante saudita Saudi Aramco em 18 de setembro de 2019, perto de Al Khardj, ao sul de Riade (AFP/FAYEZ NURELDINE)

Os membros da Opep+ concordaram nesta quinta-feira (4) em limitar seu aumento de produção a 400 mil barris por dia em dezembro, apesar dos consumidores pedirem medidas mais significativas para moderar a elevação do preço.

O anúncio foi feito pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em um comunicado após uma cúpula virtual de seus 13 membros junto com seus 10 aliados pelo acordo Opep+.

Os 23 ministros reunidos optaram por seguir seu roteiro e não se afastar da linha de produção adotada em 18 de julho. Uma estratégia que aumenta seus lucros ao deixar, por enquanto, cerca de 4 milhões de barris diários debaixo da terra.

A Opep+ insiste nos fatores de risco sobre a demanda para justificar a manutenção de sua política prudente. Também menciona as novas altas de infecções por covid-19 observadas na Rússia e na China.

"A crise continua, devemos prestar atenção e não achar que tudo acabou", disse no final de outubro o ministro saudita da Energia e líder da OPEP, Abdulaziz bin Salman.

O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, responsável pelo petróleo, também insistiu nesta quinta-feira em uma coletiva de imprensa após a cúpula sobre a ameaça que a covid-19 ainda representa para a demanda por petróleo.

Os membros da Opep+ não dão ouvidos aos apelos dos consumidores por melhores condições, em especial aqueles vindos dos Estados Unidos.

A Casa Branca reagiu rapidamente nesta quinta ao anúncio: "A recuperação econômica não deve ser prejudicada por um desequilíbrio entre oferta e demanda. A Opep+ parece não querer usar sua capacidade e seu poder neste momento crucial", lamentou um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

O mercado de petróleo, que estava bastante instável desde o início da semana, subiu ligeiramente após este anúncio: o barril WTI (West Texas Intermediate) avançou 0,31%, ficando em 81,11 dólares, enquanto o barril Brent subiu 0,71%, para 82,57 dólares .

"Os preços acima de 80 dólares por barril são, é claro, outra razão pela qual a Opep+ não tem pressa em aumentar a oferta no mercado", apontou Caroline Bain, analista da Capital Economics.

A organização afirmou em seu site que a próxima reunião da Opep+ será realizada em 2 de dezembro.

bp/bg/mar/me/sag/grp/meb/mb/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos