Mercado fechará em 2 h 27 min
  • BOVESPA

    124.105,87
    +2.305,08 (+1,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.075,19
    +206,87 (+0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,24
    -2,71 (-3,66%)
     
  • OURO

    1.822,70
    +5,50 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    39.797,74
    -1.181,89 (-2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,04
    +12,14 (+1,26%)
     
  • S&P500

    4.399,11
    +3,85 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.950,75
    +15,28 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.010,25
    +54,50 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0763
    -0,1117 (-1,81%)
     

Opep+ estuda aumento cauteloso da oferta apesar de forte demanda

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O mercado global de petróleo pede uma expansão significativa da oferta, mas a Opep+ deve fornecer apenas uma parte da demanda atual dos consumidores.

Os preços internacionais do petróleo chegaram a subir para o maior nível em dois anos, acima de US$ 75 o barril, impulsionados pela recuperação da demanda antes impactada pela pandemia. Com previsões de retorno do barril aos US$ 100 e temores de aceleração da inflação, a Agência Internacional de Energia recomendou que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e parceiros cubram o déficit de oferta.

Na reunião da próxima semana, a aliança liderada pela Arábia Saudita e Rússia deve decidir repor um pouco mais da produção retirada do mercado, segundo pesquisa da Bloomberg, e delegados do grupo dizem que as discussões já estão em andamento.

Ainda assim, com o governo de Riade determinado a agir com cautela, especialistas esperam que qualquer aumento deixe o mercado querendo mais.

“O mercado está pegando fogo”, disse Bill Farren-Price, diretor da empresa de pesquisa Enverus. “Os sauditas não parecem dispostos a sinalizar um aumento significativo da oferta. Mas, mesmo se a Opep+ adicionar barris, os preços continuarão fortes.”

A aliança de 23 países repôs cerca de 40% dos quase 10 milhões de barris de produção diária suspensa quando a demanda despencou no ano passado. Os ministros se reunirão no dia 1º de julho para avaliar a próxima etapa.

A Rússia estuda fazer uma proposta para que a coalizão eleve a oferta, e delegados dizem que um aumento em agosto tem sido discutido informalmente. No entanto, várias autoridades do cartel também dizem nos bastidores que elevar a produção agora seria um erro quando o Irã, membro da Opep, está envolvido em negociações que podem resultar em forte aumento das exportações do país.

O ministro de Energia da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, disse na quarta-feira que mantém uma postura cautelosa, mas não descarta agir. Ele reconheceu que a Opep+ tem um papel em “domar e conter” a inflação.

Aumento modesto

Observadores do mercado esperam algum tipo de aumento da produção na próxima semana, com a oferta extra chegando ao mercado em agosto. Todos, exceto dois dos 15 analistas, tradings e refinarias em pesquisa global da Bloomberg News, preveem que a coalizão vai acionar sua considerável capacidade de produção extra.

No entanto, o aumento médio estimado para agosto é de cerca de 510 mil barris por dia, apenas 25% do déficit de oferta global que a própria Opep+ prevê para o mês.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos