Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,59 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,76 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,13
    -0,42 (-0,94%)
     
  • OURO

    1.816,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    18.772,53
    -77,85 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,88
    -10,98 (-2,89%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,28 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.808,94
    +21,40 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.423,50
    -28,75 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3031
    -0,0039 (-0,06%)
     

Opep e Rússia estudam cortes maiores na oferta de petróleo, dizem fontes

Por Ahmad Ghaddar e Alex Lawler e Olesya Astakhova
·1 minuto de leitura

Por Ahmad Ghaddar e Alex Lawler e Olesya Astakhova

LONDRES (Reuters) - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Rússia estão considerando implementar cortes mais profundos sobre a produção da commodity no início do ano que vem, em uma tentativa de fortalecer o mercado petrolífero, disseram nesta terça-feira uma fonte do grupo e uma fonte familiarizada com o pensamento russo.

A Opep e produtores aliados, liderados pela Rússia, que formam o grupo conhecido como Opep+, estão programados para reduzir seus cortes de oferta de petróleo em cerca de 2 milhões de barris por dia (bpd) a partir de janeiro.

Mas o impacto da segunda onda da pandemia de Covid-19 sobre a demanda por energia, por causa de medidas de restrição às movimentações, está forçando o grupo a repensar a estratégia.

"Parece que teremos de cortar mais fundo no primeiro trimestre", disse a fonte familiarizada com a opinião russa, que falou sob a condição de anonimato.

Os produtores estão "explorando muitas opções além de estender (os cortes já existentes)", afirmou uma fonte da Opep.

A fonte acrescentou, porém, que a implementação de cortes mais profundos seria uma "decisão difícil", já que concederia uma fatia maior do mercado a produtores de fora da Opep+.

Mais cedo nesta terça-feira, a Argélia, que ocupa a presidência rotativa da Opep, defendeu que os cortes de oferta que já estão sendo aplicados sejam prorrogados pelos primeiros meses de 2021.

A Opep+ deverá se reunir em 30 de novembro e 1º de dezembro para definir sua política de produção.