Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.453,70
    +2.428,88 (+6,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Opep+ retomará discussões sobre cortes na segunda após Emirados divergirem

·2 minuto de leitura
Sede da Opep, em Viena, Áustria

Por Rania El Gamal e Olesya Astakhova e Ahmad Ghaddar

LONDRES (Reuters) - A Opep+ retomará conversas na segunda-feira depois de não conseguir chegar a um acordo sobre a política de produção de petróleo pelo segundo dia consecutivo nesta sexta-feira, pois os Emirados Árabes Unidos bloquearam alguns aspectos do pacto.

O impasse pode atrasar os planos para bombear mais óleo até o fim do ano, para aliviar os preços do petróleo que dispararam para máximas de 2 anos e meio.

Sem um acordo, a aliança da Opep+ pode manter restrições mais rígidas na produção com preços do petróleo agora em cerca de 75 dólares o barril, com alta acumulada de mais 40% neste ano. Consumidores querem mais petróleo para ajudar a recuperação mundial da pandemia da Covid-19.

O avanço nos preços do petróleo está contribuindo para inflação global, desacelerando a recuperação da economia diante da crise do coronavírus.

A Opep+, que agrupa a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Rússia e aliados, votou nesta sexta-feira para aumentar a produção de petróleo em cerca de 2 milhões de barris por dia (bpd) de agosto a dezembro de 2021 e estender cortes remanescentes até o fim de 2022, em vez de encerrar em abril de 2022, afirmaram fontes da Opep+.

Os Emirados Árabes Unidos concordaram em liberar mais petróleo para o mercado, mas se recusaram a apoiar a extensão dos cortes.

As conversas continuam na segunda-feira, afirmou a Opep+ em declaração.

Respondendo à destruição de demanda de petróleo causada pela crise da Covid, a Opep+ concordou no ano passado em cortar em cerca de 10 milhões de bpd a partir de maio de 2020, com planos para acabar com as reduções até o fim de abril de 2022. Esses cortes agora estão em cerca de 5,8 milhões de bpd.

(Reportagem de Equipe Opep)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos