Mercado abrirá em 3 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,90
    +0,29 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.793,70
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    36.647,38
    +291,33 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    830,56
    +11,05 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.507,08
    -47,23 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.071,25
    +84,50 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0458
    +0,0218 (+0,36%)
     

Opep+ decide seguir com planejado aumento de produção em janeiro

·2 min de leitura
Marca da Opep

Por Ahmad Ghaddar e Alex Lawler e Olesya Astakhova

LONDRES (Reuters) - A Opep e seus aliados concordaram nesta quinta-feira em manter sua política atual de aumento mensal da produção de petróleo, apesar dos temores de que uma liberação das reservas dos EUA e a nova variante do coronavírus poderiam levariam a uma nova derrocada do preço do petróleo.

O Brent caía mais de 1 dólar diante da decisão, sendo negociado abaixo de 70 dólares o barril, patamar bem inferior às máximas de três anos registradas em outubro, acima de 86 dólares.

Os preços em novembro já haviam registrado sua maior queda mensal desde o início da pandemia.

Sob o pacto existente, a Opep+ concordou em aumentar a produção em 400 mil bpd por mês, para encerrar os cortes recordes acordados em 2020, quando a demanda caiu por causa da pandemia.

O acordo para cumprir esse pacto e adicionar 400 mil bpd em janeiro, confirmado por um esboço de declaração da Opep+ e fontes da Opep+, levou os preços para abaixo de 67 dólares antes que recuperassem algum terreno.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecida como Opep+, têm resistido aos pedidos dos EUA por aumentos mais rápidos na produção de petróleo para ajudar a economia global, temendo que o excesso de oferta possa prejudicar a frágil recuperação do setor de energia.

Washington pediu repetidamente à Opep que produzisse mais à medida que os preços da gasolina nos EUA disparavam e os índices de aprovação do presidente Joe Biden caíam.

Antes da reunião, fontes disseram que as incertezas do mercado levaram o grupo a considerar opções como interromper o aumento planejado para janeiro ou aumentar a produção em um volume menor.

Mesmo antes de surgirem preocupações com a Ômicron, a Opep+ estava pesando os efeitos do anúncio da semana passada pelos Estados Unidos e outros grandes consumidores de que iriam liberar reservas de petróleo de emergência para moderar os preços da energia.

Qualquer decisão de aumentar a produção em menos de 400 mil bpd em janeiro ou mesmo cortar fornecimento teria colocado a Opep em confronto total com Washington em meio a relações já mornas entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita, líder da Opep.

No ano passado, a Opep+ fez cortes recordes na produção de 10 milhões de bpd, o equivalente a cerca de 10% da oferta global. Desde então, isso foi reduzido para cerca de 3,8 milhões de bpd.

No entanto, a Opep+ tem falhado regularmente em cumprir suas metas de produção, produzindo cerca de 700 mil bpd a menos do que o planejado em setembro e outubro, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês).

(Reportagem adicional de Vladimir Soldatkin)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos