Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,73
    +0,30 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.787,30
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    50.027,83
    -4.508,29 (-8,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.124,27
    -118,78 (-9,56%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    29.010,12
    +254,78 (+0,89%)
     
  • NIKKEI

    28.992,74
    -195,43 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.770,25
    +20,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5441
    +0,0025 (+0,04%)
     

Opep+ concorda em aumentar produção a partir de maio após ligação dos EUA a sauditas

Alex Lawler e Rania El Gamal e Vladimir Soldatkin
·2 minuto de leitura

Por Alex Lawler e Rania El Gamal e Vladimir Soldatkin

LONDRES/DUBAI/MOSCOU(Reuters) - A Opep+ concordou nesta quinta-feira em diminuir gradualmente seus cortes na produção de petróleo a partir de maio, depois que o novo governo dos EUA pediu à Arábia Saudita para que mantenha preços da energia em níveis acessíveis, espelhando prática de Donald Trump.

O grupo, que vem implementando cortes profundos desde a queda dos preços do petróleo em 2020, concordou em reduzir os cortes de produção em 350 mil barris por dia (bpd) em maio, outros 350 mil bpd em junho e mais 400 mil bpd em julho.

O ministro do petróleo do Irã, Bijan Zanganeh, confirmou os números acordados durante as negociações, dizendo que o grupo deverá aumentar a produção em um total de 1,1 milhão de bpd até julho.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz Bin Salman, disse em entrevista coletiva após as negociações que a decisão de quinta-feira não foi influenciada por nenhuma conversa com autoridades norte-americanas.

Não ficou imediatamente claro se a Arábia Saudita abrandaria seus próprios cortes voluntários de 1 milhão de bpd, que vem implementando além das reduções sob o acordo Opep+. Uma fonte disse que Riyadh continua revisando sua posição.

Segundo o acordo desta quinta-feira, os cortes de petróleo implementados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Rússia e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, ficariam um pouco acima de 6,5 milhões de bpd a partir de maio, em comparação com as restrições existentes ligeiramente abaixo de 7 milhões de bpd em abril.

O petróleo Brent, que caiu com a notícia do negócio, ainda era negociado acima de 63 dólares o barril, ainda mais de 20% acima do início do ano e não muito longe da máxima deste ano, em torno de 71 dólares.

(Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar em Londres, Rania El Gamal em Dubai, Olesya Astakhova e Vladimir Soldatkin em Moscou)