Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.994,23
    -589,21 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Opas denuncia patamar 'preocupante' de casos e mortes de covid-19 nas Américas

·1 minuto de leitura
(Janeiro) Mulher é vacinada em Quito

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alertou nesta quarta-feira (26) sobre um patamar "preocupante" de casos e mortes de covid-19 nas últimas semanas nas Américas, e lamentou que muitas pessoas e lugares não tenham cumprido as medidas preventivas.

"Na semana passada, houve mais de 1,2 milhão de novos casos de covid-19 e 31.000 mortes relatadas nas Américas", disse a diretora da Opas, Carissa Etienne, em uma entrevista coletiva.

“Esses números não mudaram nas últimas semanas, ressaltando uma tendência preocupante: os casos e mortes estão estagnando em níveis alarmantes”, acrescentou.

De acordo com a Opas, na semana passada, quatro em cada cinco dos países que relataram o maior número de novas infecções estavam na região (Brasil, Estados Unidos, Argentina e Colômbia), e cinco relataram o maior número de mortes cumulativas ( Estados Unidos, Brasil, México, Colômbia e Argentina).

Etienne disse que Uruguai, Argentina e Brasil voltaram a registrar um aumento de casos "que põe em risco várias semanas de progresso" no controle do vírus, e destacou o "aumento drástico" de casos e mortes na Bolívia.

Ela também observou "novas infecções significativas" em Cuba e "tendências crescentes de hospitalizações" no Haiti. Entre os países da América Central que também registraram aumentos, mencionou Costa Rica, Panamá, Belize e Honduras.

"Apesar de infecções persistentemente altas, muitas pessoas e lugares não estão mais aderindo às medidas de saúde pública que sabemos serem eficazes contra a covid-19", disse Etienne.

Dos 3,4 milhões de mortes relatadas globalmente desde o início da emergência de saúde da covid-19 no final de 2019, quase metade corresponde a países nas Américas.

Mas Etienne alertou que "os números reais podem ser maiores", evidência do "enorme impacto" da pandemia na região.

ad/gma/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos