Mercado fechará em 4 h 50 min
  • BOVESPA

    130.980,68
    +1.539,65 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.085,28
    -201,18 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,52
    +0,61 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.868,40
    -11,20 (-0,60%)
     
  • BTC-USD

    40.530,72
    +4.574,20 (+12,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.007,58
    +38,74 (+4,00%)
     
  • S&P500

    4.239,68
    -7,76 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.312,53
    -167,07 (-0,48%)
     
  • FTSE

    7.167,68
    +33,62 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.021,00
    +26,75 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1362
    -0,0564 (-0,91%)
     

Opas alerta para impacto econômico da pandemia e pede controle da transmissão

·1 minuto de leitura
Paciente com covid-19 na UTI de Bogotá, Colômbia

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) pediu nesta quarta-feira que sejam priorizadas as medidas de controle do novo coronavírus, para reduzir o impacto econômico da pandemia, enfatizando que as vacinas são uma "solução de longo prazo".

“Não existe ameaça à saúde econômica de um país pior do que um surto ativo da pandemia”, assinalou a diretora da organização, Carissa Etienne. “A prioridade deveria ser o controle da transmissão com medidas de saúde pública”, opinou, durante entrevista coletiva.

Carissa defendeu as "medidas eficazes que têm o poder de interromper a transmissão da doença e não custam muito", como o uso de máscara, o distanciamento social e a limitação de reuniões em espaços fechados. “Sejamos realistas: as vacinas são a nossa solução de longo prazo para essa crise”, assinalou.

“Apenas com uma imunização suficiente os países poderão relaxar por completo as medidas de saúde pública, e somente então as economias poderão realmente se reativar”, apontou a diretora. “Apesar da situação precária que observamos nas Américas, as medidas de saúde pública estão sendo flexibilizadas como se os números estivessem caindo, e não estão”, ressaltou.

Carissa destacou as desigualdades nas Américas em termos de vacinação, e alertou que, se o ritmo lento de imunizações for mantido, o controle da Covid na região poderá levar anos. Embora os Estados Unidos tenham vacinado totalmente mais de 40% de sua população, países como Bolívia, Equador e Peru imunizaram apenas 3%, e outros, como Guatemala, Trinidad e Tobago e Honduras, nem chegaram a 1%, afirmou.

O último relatório de perspectivas econômicas do Banco Mundial, divulgado ontem, prevê uma "recuperação econômica modesta" da região América Latina e Caribe em 2021, insuficiente para superar a contração histórica do ano passado. “As cicatrizes da pandemia são graves”, alertou a instituição.

ad/mr/lb