Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.385,59
    -1.957,73 (-3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

ONU pede para 'aproveitar a oportunidade' de uma solução diplomática no Iêmen

·1 minuto de leitura
O enviado especial da ONU para Iêmen Martin Griffiths (e), junto ao ministro das Relações Exteriores alemão Heiko Maas

A ONU pediu nesta segunda-feira (12) a todos os protagonistas do conflito no Iêmen para "aproveitarem a oportunidade" de uma resolução diplomática, devido à reunião das grandes potências em uma sessão de negociações em Berlim.

"É o momento de ter uma liderança responsável e peço a todas as partes em conflito para aproveitarem a oportunidade que se apresenta agora e negociarem de boa fé, sem condições prévias, para resolver este conflito", afirmou Martin Griffiths, enviado da ONU para o Iêmen, em uma coletiva de imprensa em Berlim.

Griffiths, que visita a capital alemã, foi recebido pelo ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas.

Maas promoveu uma reunião aconteceu à tarde entre altos funcionários de vários países chaves, cujo objetivo é dar apoio aos esforços da ONU para resolver este conflito que existe no Iêmen desde 2015.

Esta reunião em vídeoconferência reúne representantes do grupo chamado "P5+4" criado em 2019 para o Iêmen.

É composto pelas cinco potências que têm direito de veto no Conselho de Segurança da ONU (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia) e pela Alemanha, Suécia, Kuwait e pela União Europeia.

O Iêmen está em guerra há seis anos entre as forças do presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, apoiadas pela Arábia Saudita e outros estados árabes, e os rebeldes huthis apoiados pelo Irã.

O conflito causou dezenas de milhares de mortes segundo as ONGs, deixando milhões imersos na fome.

dac/ylf/lpt/eg/mb/aa