Mercado fechará em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    107.725,74
    -797,73 (-0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,44
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.884,30
    +7,70 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    22.835,79
    -369,50 (-1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,70
    -0,43 (-0,08%)
     
  • S&P500

    4.102,64
    -33,84 (-0,82%)
     
  • DOW JONES

    33.730,30
    -195,71 (-0,58%)
     
  • FTSE

    7.826,54
    -75,26 (-0,95%)
     
  • HANG SENG

    21.222,16
    -438,31 (-2,02%)
     
  • NIKKEI

    27.693,65
    +184,19 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.586,25
    -37,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5859
    +0,0474 (+0,86%)
     

ONU pede ação contra "robôs assassinos" e novas regras para armas

A sign attached to a robot is pictured as activists from the Campaign to Stop Killer Robots, a coalition of non-governmental organisations opposing lethal autonomous weapons or so-called 'killer robots', stage a protest at Brandenburg Gate in Berlin, Germany, March, 21, 2019. REUTERS/Annegret Hilse
Campanha de armas autônomas, conhecidas como "robôs assassinos", geram reações como a campanha "Stop Killer Robots". Foto: REUTERS/Annegret Hilse
  • Secretário geral da ONU pediu mudanças no uso de armas autônomas letais;

  • Armas conhecidas como "robôs assassinos" contam com inteligência artificial e reconhecimento facial;

  • ONU acredita que primeiro ataque autônomo ocorreu em março na Líbia;

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, pediu nesta segunda-feira em comunicado, novas regras para o uso de armas autônomas letais, também conhecidas como "robôs assassinos", marcando uma reunião-chave sobre o assunto na sede da entidade, em Genebra, na Suíça, de acordo com informações da agência Reuters.

Leia mais

Segundo a agência, nos últimos oito anos negociadores da ONU discutem os limites das armas autônomas letais, que são totalmente controladas por máquinas e contam com novas tecnologias, como inteligência artificial e reconhecimento facial. Mas a pressão aumentou em parte devido a um relatório do painel da ONU em março, que disse que o primeiro ataque autônomo de drones pode já ter ocorrido na Líbia.

Anistia Internacional e países pedem revisão de regras de "robôs assassinos"

A Anistia Internacional e grupos da sociedade civil estão pedindo aos países que comecem a negociar um tratado internacional e apresentarão uma petição aos negociadores ainda na segunda-feira. Algumas nações participantes, como a Áustria, pedem uma proibição total das armas autônomas, enquanto outros, incluindo os EUA, têm sido mais reticentes e apontam para os benefícios potenciais de tais armas, que podem ser mais precisas do que os humanos no acerto de alvos.

Os pedidos geraram reação do secretário-geral da ONU, que pediu: "Eu encorajo a Conferência de Revisão a chegar a um acordo sobre um plano ambicioso para o futuro para estabelecer restrições ao uso de certos tipos de armas autônomas", disse António Guterres no início das rodadas de negociações sobre o tema. A Convenção sobre Certas Armas Convencionais tem 125 países signatários, incluindo Estados Unidos, China e Israel, de acordo com a Reuters.

O uso de armas operadas por inteligência artificial e reconhecimento facial já gera reações pelo mundo. "O ritmo da tecnologia está realmente começando a ultrapassar o ritmo das negociações diplomáticas", disse Clare Conboy, representante da campanha Stop Killer Robots. "(Esta) é uma oportunidade histórica para os Estados tomarem medidas para salvaguardar a humanidade contra a autonomia no uso da força", completou Conboy, em entrevista à agência Reuters.