Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.433,25
    +96,08 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

ONU pede ação imediata para evitar secas desastrosas

A ONU pediu, nesta sexta-feira (17), "ação" imediata contra a seca e a desertificação para evitar "desastres humanos", no momento em que vários países enfrentam ondas de calor incomuns para esta época do ano.

"A hora de agir é agora: cada ação conta", declarou o secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD, na sigla em inglês), Ibrahim Thiaw, em uma conferência mundial em Madri por ocasião do Dia Mundial da Luta contra a Seca.

“Todos nós sabemos: um número crescente de pessoas é afetado pela seca”, acrescentou, lembrando que “metade da população mundial enfrentará uma grave escassez de água nos próximos oito anos”.

Por isso, é indispensável “implementar sistemas eficazes de alerta precoce e mobilizar fundos duradouros para melhorar a resistência” das populações à desertificação, evitando, assim, “desastres humanos”, insistiu o líder da ONU.

"Não há lugar na Terra para se esconder (...) Nenhum país, rico ou pobre, está a salvo" do problema, frisou.

Vários países, como Estados Unidos, Espanha, Itália e França, estão sofrendo ondas de calor extremo incomuns nesta época, quando o verão ainda não chegou ao hemisfério norte, com temperaturas acima de 40ºC.

"Estamos diante de temperaturas que já não são uma anedota", disse o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, na conferência, citando os recentes picos de 43ºC em algumas cidades da Espanha.

Os países às margens do Mar Mediterrâneo, incluindo a Espanha, estão entre as áreas do mundo mais afetadas pela escassez de água e pelas consequências da mudança climática. De acordo com o governo espanhol, 74% do país está em risco de desertificação. Uma situação que, segundo Sánchez, implica uma importante tarefa de "planejamento".

Organizada em Madri, esta conferência acontece quase um mês depois da COP15 contra a desertificação, que reuniu 7.000 pessoas em Abidjan e que comprometeu a recuperar 1 bilhão de hectares de terras degradadas até 2030 para responder à “emergência climática”.

vab/mg/jhd/al/js/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos