Mercado abrirá em 3 h 56 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,06
    -0,36 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.783,40
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    65.228,95
    +1.209,95 (+1,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.535,94
    +55,13 (+3,72%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.200,15
    -22,95 (-0,32%)
     
  • HANG SENG

    25.984,29
    -151,73 (-0,58%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.347,75
    -29,75 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

ONU: Limitar o aquecimento a 1,5ºC é 'impossível" sem grandes ações

·3 minuto de leitura
A temperatura média na superfície do planeta entre 2017 e 2021 é calculada entre 1,06ºC e 1,26ºC acima do nível pré-industrial (1850-1900) (AFP/JOSH EDELSON)

Um novo relatório sobre a mudança climática publicado nesta quinta-feira (16) destaca que limitar o aquecimento global a 1,5ºC será impossível sem um freio imediato e em larga escala das emissões de gases do efeito estufa, advertiu o secretário-geral da ONU.

O relatório Unidos na Ciência 2021, publicado por um conjunto de agências da ONU e parceiros científicos pouco antes da reunião de cúpula do clima COP26, alerta que a mudança climática e seus impactos estão acelerando.

A redução temporária nas emissões de carbono provocada pela pandemia de covid-19 não conseguiu frear o aquecimento, informa o documento.

O Acordo de Paris de 2015, anunciado após a reunião COP21, estabeleceu como limite um aquecimento global abaixo de 2 graus centígrados na comparação com os nível pré-industrial e, se possível de 1,5ºC.

Porém, "a menos que aconteça redução imediata, rápida e em larga escala das emissões dos gases do efeito estufa, limitar o aquecimento a 1,5°C será impossível, o que terá consequências catastróficas para as pessoas e o planeta", advertiu o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Na introdução do relatório, Guterres afirma que as descobertas do relatório constituem "uma avaliação alarmante de como estamos longe" de cumprir o Acordo de Paris.

"Este ano as emissões de combustíveis fósseis voltaram a subir, a concentração de gases do efeito estufa continua aumentando e alguns episódios meteorológicos graves acentuados pelo homem afetaram a saúde e as vidas em cada continente", completou.

O texto foi publicado a poucas semanas do início da conferência sobre a mudança climática COP26, que acontecerá em Glasgow (Reino Unido) de 31 de outubro a 12 de novembro.

- Pandemia, um efeito limitado -

Embora as emissões de gases do efeito estufa tenham registrado queda de 5,6% em 2020 devido à pandemia e à desaceleração econômica, os níveis retornaram aos índices de 2019 após o aumento nos primeiros sete meses de 2021 em todos os setores, com exceção da aviação e transporte marítimo.

O relatório também destaca que as concentrações dos principais gases do efeito estufa (dióxido de carbono, metano e óxido nitroso) continuaram aumentando em 2020 e 2021.

A redução global de emissões em 2020 foi "muito pequena", afirma.

A temperatura média na superfície do planeta entre 2017 e 2021 é calculada entre 1,06ºC e 1,26ºC acima do nível pré-industrial (1850-1900), indica o estudo.

Os especialistas calculam que existe 40% de possibilidades de que, em algum dos próximos cinco anos, supere 1,5ºC de temperatura média no planeta em comparação com a era pré-industrial.

Guterres afirmou que o planeta está em um "ponto de inflexão" e que o relatório mostra que "estamos realmente sem tempo".

- Meta de emissão zero -

A temperatura máxima histórica no Canadá foi registrada em junho, quando o termômetro marcou 49,6 graus em Lytton, na Colúmbia Britânica.

Embora a onda de calor que atingiu o noroeste do Pacífico em 2021 tenha sido um evento raro ou extremamente raro, seria "virtualmente impossível sem a mudança climática causada pelo homem", afirma o relatório.

Os especialistas afirmam que a ação humana também "aumentou a probabilidade e intensidade de fenômenos" como as inundações mortais de julho na Alemanha.

O estudo elogia o crescente número de países que estabeleceram o objetivo de emissão zero, com quase 63% das emissões globais agora cobertas por essas metas.

Mas destaca que são necessárias mais ações até 2030 para que os objetivos sejam viáveis e confiáveis.

"Espero que todas essas questões sejam abordadas e resolvidas na COP26. Nosso futuro está em jogo", afirmou Guterres.

rjm/nl/rl/dbh/mis/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos