Mercado abrirá em 6 hs
  • BOVESPA

    107.378,92
    +1.336,45 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,59
    +0,53 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.825,40
    -12,40 (-0,67%)
     
  • BTC-USD

    18.309,83
    -22,68 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,83
    +7,40 (+2,05%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.493,47
    +7,27 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.108,98
    +581,61 (+2,28%)
     
  • NASDAQ

    11.964,75
    +59,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4484
    +0,0081 (+0,13%)
     

ONU e Banco Mundial pedem escolas abertas durante pandemia

·1 minuto de leitura
Dois professores da escola primária Yung Wing School em Manhattan, Nova York
Dois professores da escola primária Yung Wing School em Manhattan, Nova York

As agências da ONU Unesco e Unicef, bem como o Banco Mundial, pediram que as escolas permaneçam abertas durante a luta contra a Covid-19, segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira, que destaca os danos causados pela pandemia aos alunos de países pobres.

"Priorizar a reabertura das escolas e oferecer as muito necessárias aulas de recuperação é indispensável", afirmou em comunicado Robert Jenkins, responsável pelo departamento de educação do Unicef.

"Não precisamos ir muito longe para ver os danos que a pandemia causou ao aprendizado de crianças no mundo inteiro. Nos países com rendas baixas e intermediárias, esta devastação se amplificou, uma vez que o  acesso limitado ao ensino à distância, o risco aumentado de cortes orçamentários e os atrasos nos planos de reabertura frustraram qualquer chance de normalidade para os alunos", assinalou Jenkins.

Segundo o relatório das três instituições, as crianças dos países pobres perderam mais de quatro meses de aulas desde o começo da pandemia. Com mais acesso à tecnologia, os alunos de países ricos perderam seis semanas, aponta o documento.

Para a Unesco e o Banco Mundial, mais do que esperar, também é essencial que os países invistam financeiramente, agora, nos sistemas escolares, para reduzir o abismo que se aprofunda entre o ensino nos países ricos e pobres em consequência da pandemia.

O relatório foi elaborado com base em dados nacionais colhidos em quase 150 países entre junho e outubro.

prh/dax/rs/gma/lb