Mercado abrirá em 7 h 5 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,71
    +1,45 (+2,19%)
     
  • OURO

    1.782,60
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    49.082,59
    +22,86 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,31
    -178,45 (-12,38%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.466,39
    -300,30 (-1,26%)
     
  • NIKKEI

    27.928,61
    -100,96 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.735,50
    +17,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3808
    -0,0145 (-0,23%)
     

ONU alerta para aumento de preços em 2022 por custos do frete marítimo

·2 min de leitura
As interrupções na cadeia de abastecimento durante a pandemia aumentaram o custo do transporte internacional e podem impactar os preços ao consumidor (AFP/MARIO TAMA)

As Nações Unidas alertaram nesta quinta-feira (18) que o aumento das taxas de transporte marítimo implicariam uma inflação dos preços para os consumidores no próximo ano, a menos que os problemas nas cadeias de suprimentos causados pela pandemia de coronavírus sejam resolvidos.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, na sigla em inglês) informou que os preços de importação podem aumentar 11%, no plano internacional, e os preços ao consumidor, 1,5%, até 2023.

"Os preços ao consumidor crescerão significativamente no próximo ano até que as interrupções nas cadeias de abastecimento de mercadorias sejam desbloqueadas, e os congestionamentos nos portos e terminais sejam resolvidos", afirmou a UNCTAD em um relatório sobre o transporte marítimo de 2021.

As cadeias de suprimentos globais enfrentaram uma demanda sem precedentes desde a segunda metade de 2020, pois os consumidores passaram a gastar em bens em vez de serviços durante os confinamentos causados pela pandemia da covid-19.

Isso causou saturação da capacidade de carga dos navios, falta de contêineres e de mão de obra e congestionamento nos portos.

Ao mesmo tempo, essa saturação levou a um recorde nos preços de frete "em praticamente todas as rotas de comércio de contêineres", aponta o relatório.

"Este 'boom' nas taxas de frete terá um profundo impacto no comércio e prejudicará a recuperação socioeconômica, especialmente nos países em desenvolvimento", alertou a secretária-geral da agência, Rebeca Grynspan.

A previsão é que os preços repassados ao consumidor subam 7,5% nos Estados insulares em desenvolvimento, e 2,2%, nos países menos desenvolvidos, acima do 1,5% esperado globalmente.

A UNCTAD observa que a pandemia ampliou os problemas anteriores da indústria, como falta de mão de obra, ou lacunas nas infraestruturas, e também expôs suas vulnerabilidades.

Mesmo assim, o impacto da pandemia no comércio marítimo foi inferior ao inicialmente previsto. Em 2020, registrou uma contração de 3,8%, mas deve crescer 4,3% em 2021.

A agência prevê um avanço médio anual de 2,4% entre 2022 e 2026, mas alerta para um "aumento do risco e das incertezas".

No documento, pede-se, ainda, para se acelerar a vacinação entre o total de 1,9 milhão de tripulantes marítimos. Hoje, apenas 41% deles estão totalmente imunizados.

A pandemia também pode trazer uma transformação duradoura no setor, com o desenvolvimento do comércio digital. De acordo com o relatório, este avanço "pode gerar novas oportunidades de negócios".

rjm/lb/dbh/zm/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos