Mercado abrirá em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,23
    -0,51 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.645,40
    -10,20 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    19.099,93
    +80,76 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    437,50
    -7,03 (-1,58%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.966,22
    -52,38 (-0,75%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.293,00
    -83,75 (-0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0700
    -0,0276 (-0,54%)
     

Insegurança alimentar atinge 61 milhões de pessoas no Brasil, diz ONU

Relatório ponta que o cenário da fome piorou consideravelmente com a pandemia da Covid-19 (Getty Creative)
Relatório ponta que o cenário da fome piorou consideravelmente com a pandemia da Covid-19 (Getty Creative)
  • Relatório aponta que 61,3 milhões sofrem insegurança alimentar no Brasil

  • Cenário da fome piorou consideravelmente com a pandemia da Covid-19

  • Presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que se não fosse ele, o Brasil “estaria no buraco”

Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), denominado "O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo em 2022", aponta que 61,3 milhões (cerca de 3 em cada 10 habitantes) sofrem insegurança alimentar no Brasil. O estudo ainda aponta que 15,4 milhões estavam passando fome no período de 2019 e 2021.

Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, "em um compilado de países com dados comparáveis relacionados pela ONU, o Brasil é o que tem mais pessoas em algum grau de insegurança alimentar (moderada ou grave) nas Américas e o quinto no mundo, no período até 2021".

O relatório também aponta que o cenário da fome piorou consideravelmente com a pandemia da Covid-19. "No mundo, o número de pessoas que são afetadas pela fome aumentou para 828 milhões no ano passado —um crescimento de 46 milhões desde 2020 e de 150 milhões desde o início da pandemia. Os dados relativos ao período da pandemia de Covid-19 preocupam: após ficar sem alterações desde 2015, o percentual de pessoas no mundo afetadas pela fome saltou em 2020 e continuou subindo no ano seguinte, atingindo 9,8% da população mundial, ante 8% em 2019 e 9,3% em 2020", afirma a reportagem.

Crise ignorada

Ignorando o aumento da fome e da inflação no país, o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (9) que se não fosse ele, o Brasil “estaria no buraco”. A declaração aconteceu durante conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília.

“Não é prometendo o paraíso para todo mundo, como a esquerda sempre promete, que a gente pode sonhar com um Brasil melhor. O Brasil não é mais do futuro, é do presente. Se não sou eu, esse Brasil já estava no buraco”, falou.

O mandatário disse ainda que o país está “bem” ao comentar sobre a redução no preço dos combustíveis.

“Estão vendo como é que está o mundo, pessoal, e como é que está o Brasil? A gente está bem. Todas as previsões do Produto Interno Bruto foram revisadas para cima e não por nós", argumentou.