Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.390,03
    +92,41 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

ONS reduz previsão de carga de energia para julho, passa a ver alta de 3,3% ante 2020

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A carga de energia do Brasil deverá avançar 3,3% em julho na comparação com mesmo mês do ano passado, indicou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira, reduzindo sua previsão em relação ao boletim publicado na semana passada, quando estimava avanço de 3,7%.

A queda na projeção foi influenciada pela redução na carga prevista para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que possui a maior carga de eletricidade do país. O ONS, que na semana passada via um aumento de 2,5% na região, passou a estimar uma alta de 1,2%.

Os outros subsistemas, por sua vez, tiveram elevação na estimativa de carga: o Sul deve avançar 4,0%, ante 3,5% na semana passada; o Nordeste tem alta prevista em 7,6%, versus 6,8% no boletim anterior; e o Norte tende a apurar aumento de 8,0%, contra previsão de 6,6% na última semana.

Em meio à grave crise hídrica enfrentada pelo país, os números do ONS para as chuvas nas regiões das usinas hidrelétricas brasileiras seguem apontando para quadro de seca.

No Sudeste/Centro-Oeste, que concentra os maiores reservatórios, as precipitações em julho deverão atingir 61% da média histórica para o período, ante estimativa de 63% publicada na semana passada.

No Nordeste, a projeção permaneceu em 42%, mesmo nível visto no boletim anterior. No Sul, o índice de chuvas foi estimado em 47% da média (versus 50% anteriormente), enquanto o Norte verificou leve elevação para 82% (antes a previsão era de 81%).

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos