Mercado abrirá em 4 h 16 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,51
    -0,26 (-0,49%)
     
  • OURO

    1.851,60
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    31.392,67
    -975,62 (-3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    635,32
    -41,58 (-6,14%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.414,87
    -744,14 (-2,47%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.406,50
    -69,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6946
    +0,0584 (+0,88%)
     

ONS reduz levemente projeção de carga de energia e chuvas em hidrelétricas

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) cortou ligeiramente suas previsões para o desempenho da carga de energia do sistema brasileiro em janeiro e sobre as chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do país.

A demanda por eletricidade deve fechar o mês com avanço de 2,4% na comparação anual, em 77.338 megawatts médios, apontou o ONS em boletim nesta sexta-feira, no qual reduziu uma expectativa da semana anterior que indicava alta de 2,5%.

Houve pequena redução nas projeções para a carga de energia em todas regiões, à exceção do Nordeste, onde deve haver alta de 3%, contra 2,7% esperados na semana passada.

No Sudeste/Centro-Oeste, principal centro consumidor, a demanda deve crescer 2,6% ano a ano, abaixo dos 2,8% antes previstos.

Apesar da redução nos números, os dados do ONS seguem mostrando tendência de recuperação na atividade, após a carga de energia ter desabado 12% na comparação anual em abril, mês mais impactado pela pandemia de coronavírus.

Já as precipitações na região dos lagos das hidrelétricas devem se manter distantes da média histórica mesmo com o país em pleno período de chuvas na área das usinas, que vai tradicionalmente de novembro a abril.

O Sudeste, que concentra os maiores reservatórios, deve receber chuvas em 71% da média histórica, contra 79% estimados na semana passada, apontou o ONS.

O Nordeste, segunda região em capacidade de armazenamento, deve ficar em 42% da média, também abaixo dos 48% previstos antes.

(Por Luciano Costa)