Mercado fechará em 5 h 51 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,02
    +0,14 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.929,60
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.516,91
    -289,53 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,21
    -8,11 (-1,49%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.852,90
    +32,74 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.737,75
    -109,00 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5424
    +0,0527 (+0,96%)
     

ONS estima investimentos de R$60,7 bi em obras de transmissão de energia até 2027

SÃO PAULO (Reuters) - A expansão do sistema elétrico brasileiro deverá demandar investimentos de 60,7 bilhões em obras para transmissão de energia no horizonte de 2023 a 2027, segundo estimativas do operador elétrico ONS divulgadas nesta segunda-feira.

Desse total, 55,7 bilhões são referentes a novas obras, que passam a ser necessárias diante do forte crescimento da geração eólica e solar fotovoltaica sobretudo no Nordeste e em Minas Gerais, exigindo escoamento de excedentes energéticos aos demais subsistemas do Sistema Interligado Nacional (SIN).

As obras indicadas no Plano da Operação Elétrica de Médio Prazo incluem a construção de cerca de 16 mil km de novas linhas de transmissão e 34 mil megavolt-ampères (MVA) de acréscimo de capacidade de transformação em subestações novas e existentes.

Esses empreendimentos representam um acréscimo da ordem de 10% na extensão das linhas de transmissão e de 9% na potência nominal instalada em transformadores da Rede Básica e da Rede Básica de Fronteira, em relação à rede existente.

Na análise regional, o ONS destacou que cinco Estados concentram cerca de 80% dos futuros investimentos: Bahia (13,6 bilhões de reais), Minas Gerais (13,1 bilhões), Maranhão (10,3 bilhões), Goiás (8,5 bilhões) e Piauí (4 bilhões).

Ainda no plano de médio prazo, o ONS estimou que a carga de energia elétrica no SIN chegará a 111 GW em 2027, um crescimento de 18% frente aos 94,1 GW registrados em 2022. Já a capacidade instalada da matriz elétrica brasileira deverá atingir 208,4 GW ao final de 2026, ante os 186 GW atuais.

O órgão também ressaltou a necessidade de resolver um gargalo criado pelo "boom" de projetos eólica e solar após a promulgação, em 2021, de uma lei que deu fim a subsídios às fontes renováveis. Segundo o ONS, o grande volume de empreendimentos de geração que estão buscando conexão ao sistema de transmissão fez com que os critérios atuais não sejam mais adequados.

Diante disso, o ONS propôs uma "mudança de paradigma" que privilegie a lógica econômica, com a criação, por exemplo, de um leilão para seleção de projetos mais promissores e que efetivamente possam ser implementados.

A proposta está alinhada ao plano do Ministério de Minas e Energia da gestão de Jair Bolsoanro, que em 2022 lançou as bases para uma nova licitação com esse fim, prevendo os primeiros leilões para 2023.

(Por Letícia Fucuchima)