Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.783,70
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    55.383,58
    +399,30 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.272,22
    +37,81 (+3,06%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.652,67
    -483,06 (-1,66%)
     
  • NIKKEI

    28.510,32
    -590,06 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.739,25
    -55,00 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6883
    -0,0142 (-0,21%)
     

ONS vê carga de energia maior apesar de efeitos localizados por Covid

·2 minuto de leitura
Sala de monitoramento do ONS, em Brasília (DF)

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) elevou a projeção para a carga de energia do sistema interligado do Brasil neste mês, mesmo em meio a novas medidas restritivas adotadas pelo país para tentar deter o avanço da Covid-19, apontando por ora efeitos localizados de quarentenas pelo país.

O órgão do setor de energia apontou expectativa de aumento de 3,7% na comparação com março passado, contra avanço de 2,3% na semana anterior.

"Atualmente, pode-se observar que o comportamento da carga no curto prazo vem refletindo de forma diferente nas regiões, conforme as autoridades locais anunciam as suas estratégias de atuação para conter o avanço dos casos de Covid-19", afirmou.

A previsão de alta mesmo com novas restrições em diversos Estados deve-se à redução de demanda verificada em 2020, quando foram anunciadas as primeiras medidas de isolamento social no Brasil devido à chegada da pandemia.

A carga em março passado recuou 0,6% em comparação anual. Em abril, primeiro mês inteiramente sobre impacto de quarentenas, ela desabou 11,5%.

As novas medidas restritivas no Brasil podem ameaçar a trajetória de retomada do consumo que vinha sendo vista nos últimos meses, mas especialistas por ora veem efeitos bem menores sobre o uso de energia do que em 2020.

Segundo o ONS, a carga deverá ter neste mês um salto de 6,7% no Norte e de 4,7% no Nordeste. Na semana anterior, essas projeções eram de alta de 5,6% e 4,3%, respectivamente.

No Sudeste-Centro/Oeste, o ONS ampliou a projeção para alta de 3,4%, contra 2% antes, mesmo com novas medidas restritivas anunciadas por Estados como São Paulo e Rio de Janeiro.

No Sul, a demanda deve subir 2,6% frente ao ano passado, contra 0,2% da projeção anterior.

O Brasil registrou nesta sexta-feira novo recorde de casos de Covid-19 contabilizados em um único dia, com mais 90.570 infecções. Os óbitos em 24 horas somaram 2.815, segunda maior cifra diária até o momento.

CHUVAS, TÉRMICAS

O ONS ainda apontou que as chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração de energia do Brasil, devem representar neste mês 77% da média histórica para o período, ante 78% na semana passada, mesmo em meio à época de chuvas na proximidade dos lagos das usinas.

No Nordeste, segunda região em reservatórios, as precipitações foram vistas em 67%, sem mudança frente à semana passada, enquanto o Sul deve atingir 107%, também praticamente estável.

O ONS ainda reduziu as perspectivas de geração térmica para atendimento à demanda na próxima semana, para 4,68 gigawatts, ante 5,15 gigawatts no relatório da semana anterior.

(Por Luciano Costa)