Mercado abrirá em 2 h 55 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,99
    -0,29 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.713,20
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.165,58
    -1.789,95 (-3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,00
    -2,21 (-0,22%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.605,49
    -69,98 (-1,05%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.616,00
    -65,75 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

ONS eleva previsão e passa a ver alta de 4,5% na carga de energia em dezembro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A carga de energia do Brasil deverá avançar 4,5% em dezembro ante igual período do ano passado, projetou nesta sexta-feira o Operador Nacional do Sistema (ONS), elevando sua estimativa em 0,1 ponto percentual frente a semana anterior.

De acordo com relatório do ONS, apenas o subsistema Nordeste terá uma retração de carga na comparação anual, com queda de 0,2% em dezembro. O Sudeste deverá verificar o maior aumento, de 6,3%, seguido de perto pelo Norte (+6,2%).

O aumento do consumo ocorre em momento de preocupação com os reservatórios das hidrelétricas, após uma seca prolongada.

Na publicação desta semana, o ONS melhorou suas perspectivas para as chuvas nas regiões das usinas no Sul e Sudeste --embora neste os níveis esperados de precipitação sigam abaixo da média.

Segundo o operador, no subsistema Sul as chuvas deverão atingir 143% da média histórica para o período, ante previsão de 64% da média na semana passada, enquanto no Sudeste tendem a atingir 60% da média, versus 47% na semana anterior.

Por outro lado, no Nordeste as precipitações deverão ficar em 46% da média histórica, contra estimativa de 62% no boletim anterior, e no Norte foram vistas em 69% --na semana passada, a previsão era de 80%.

(Por Gabriel Araujo)