Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.730,70
    -921,31 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

ONS aponta baixas chuvas para hidrelétricas do Nordeste

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema (ONS) projetou nesta sexta-feira chuvas em 29 por cento da média histórica em novembro na região Nordeste, que já vem enfrentando precipitações baixas nos últimos meses por conta do fenômeno El Niño, com impacto preocupante para o nível operacional das usinas hidrelétricas. Segundo o ONS, as hidrelétricas do Nordeste estarão com reservatórios em 5,9 por cento da capacidade ao final de novembro. Estimativa anterior mostrou que hidrelétricas do Nordeste fechariam outubro no nível de 2001, ano em que o país passou por racionamento de eletricidade, um sinal de alerta para a região. Apesar do baixo nível dos reservatórios, o governo avalia que o Brasil tem hoje risco de racionamento de eletricidade "próximo de zero" em todas as regiões, mesmo no Nordeste. Em audiência na quinta-feira, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que o Nordeste, onde os reservatórios estão com 8,86 por cento da capacidade, conta com eólicas, termelétricas e recebimento de energia de outras regiões para suportar a demanda por energia. Em 2001, quando o país foi afetado pelo racionamento, havia menos infraestrutura de transmissão para que uma região pudesse socorrer a outra, como acontece atualmente. O Nordeste, aliás, deverá registrar crescimento de 1,1 por cento na carga de energia mensal em novembro, em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo o ONS, ao contrário do Sudeste/Centro-Oeste e Sul, onde haverá queda, respectivamente, de 2 e 3,5 por cento no próximo mês. Na média do Brasil, a carga em novembro deverá apresentar recuo de 0,9 por cento em novembro, na comparação anual, em meio a uma recessão econômica, o que poderia ajudar a aliviar algumas preocupações relacionadas à oferta de energia. (Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos