Mercado fechará em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    113.668,43
    +385,76 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.555,45
    +449,74 (+0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,51
    +1,53 (+2,07%)
     
  • OURO

    1.753,30
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    43.102,79
    -160,72 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.070,08
    -31,43 (-2,85%)
     
  • S&P500

    4.443,36
    -12,12 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.919,78
    +121,78 (+0,35%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.147,25
    -171,50 (-1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2708
    +0,0152 (+0,24%)
     

OnlyFans vai proibir conteúdo sexual explícito: como isso pode impactar a rede

·5 minuto de leitura

A web foi sacudida ontem (19) com a notícia de que o OnlyFans proibirá a veiculação de conteúdo sexual explícito a partir de 1º de outubro de 2021. A plataforma, que apesar de não ter este como seu único propósito, ficou conhecida por permitir que pessoas publicassem conteúdo erótico autoral para assinantes pagos e acabou virando sinônimo de local para comercialização de “packs” sensuais — para dizer o mínimo.

O anúncio ainda não foi veiculado em algum canal oficial do OnlyFans e veio a público por meio de uma reportagem do site Bloomberg na qual se lê uma nota da plataforma confirmando a mudança. A razão disso seria evitar a fuga de parceiros comerciais que possivelmente veem problema na associação de suas marcas com um serviço dedicado à pornografia explícita. Alguns grupos de investimentos, inclusive, têm em seus estatutos a restrição a investimentos nesse tipo de conteúdo, o que dá uma ideia da razão para tais mudanças.

Contudo, a companhia ainda não se manifestou em seus canais, e a ausência de um comunicado oficial abriu brechas para muitas dúvidas a respeito do futuro da plataforma e das pessoas que a utilizam como fonte de renda. Quem trabalha com o OnlyFans, porém, acredita que a mudança terá impacto signficativo no site.

Não é (apenas) sobre sexo

O OnlyFans não é uma rede dedicada exclusivamente à comercialização de material erótico, tanto que o site se apresenta como um espaço “inclusivo para artistas e criadores de conteúdo de todos os gêneros”. A sua missão, afirma, é “permitir que eles [artistas e criadores] monetizem seu conteúdo à medida em que desenvolvem relações autênticas com sua base de fãs”.

Em sua essência, portanto, trata-se de uma rede social estilo Twitter ou Instagram — qualquer pessoa pode postar fotos, vídeos e textos, trocar mensagens privadas e até usufruir de um recurso estilo Stories e Snapchat —, mas que tem como diferencial a possibilidade de liberar o acesso a certos conteúdos apenas para quem pagou.

Porém, independente de ser ou não o propósito do OF, a plataforma se popularizou como um espaço onde pessoas podem ganhar dinheiro explorando sua própria sexualidade. E aí, um ajuste na política de uso para torná-la mais restritiva pode acabar ferindo de morte o serviço que alega distribuir R$ 27 bilhões por ano para mais de 1,5 milhão de criadores todos os anos.

OnlyFans estaria planejando proibir conteúdo sexual explícito em sua plataforma (Imagem: Reprodução/OnlyFans)
OnlyFans estaria planejando proibir conteúdo sexual explícito em sua plataforma (Imagem: Reprodução/OnlyFans)

Tumblerização à vista?

Para a modelo alternativa Kat Vans, que comercializa conteúdo no OnlyFans e atua como uma espécie de consultora para outras modelos da plataforma, o banimento de conteúdo explícito pode ser bastante prejudicial para os criadores de conteúdo.

“O impacto dessa proibição vai ser muito grande”, comenta a modelo em conversa com o Canaltech. Segundo ela, o OnlyFans não é um site pornô convencional, como PornHub ou XVideos, mas uma plataforma de interação sexual, sua grande vantagem em relação aos rivais tradicionais.

“O diferencial dele é justamente essa interação entre fãs e modelos e a interação sexual que acontece em decorrência disso”, explica. “É daí que vem o income [receita] do site, dessa venda de conteúdo que as modelos fazem ali, naquele momento, para os fãs. E são vídeos, fotos, não apenas nudes, então o site é muito mais usado para conteúdos explícitos mesmo”, completa.

Para Kat Vans, o banimento de materiais explícitos poderia tumblerizar o OnlyFans. “Sem o conteúdo explícito, o site perde o propósito, vai morrer igual ao Tumblr”, crava a modelo. A referência aqui é ao movimento semelhante realizado pelo Tumblr em 2018, quando o site proibiu a veiculação de conteúdo erótico explícito e sofreu com uma debandada de público logo em seguida — estima-se 100 milhões de acessos a menos poucos meses depois da restrição entrar em vigor.

O que diz o OnlyFans

Atualização: o OnlyFans começou a enviar mensagens aos criadores de conteúdo confirmando a mudança — confira logo abaixo.

Em resposta a uma solicitação do Canaltech, o OnlyFans não confirmou as mudanças em sua política de uso — entretanto, o site também não negou que planeja a alteração. Quando questionada sobre o assunto, a rede social apenas indicou a leitura dos “atuais Termos de Serviço para verificar os tipos de conteúdos permitidos na plataforma”.

“Sempre realizamos anúncios oficiais e notificamos todos os usuários em caso de mudanças nos Termos. Por gentileza, acompanhe as fontes oficiais do OnlyFans para saber de qualquer atualização”, complementa a nota assinada por um representante da companhia britânica.

Nem sim, nem não

Não é difícil perceber a pegada de “não nego nem confirmo, muito pelo contrário” da nota do OnlyFans, e isso é bastante compreensível. Uma mudança como essa impactaria a rede e seus participantes de maneira significativa e provavelmente geraria uma movimentação de “debandada” semelhante à vista no Tumblr no início de 2019.

Na nota publicada pelo Bloomberg sobre o tema, o OnlyFans afirmava que divulgaria mais informações em um momento futuro, indicando que talvez a empresa ainda realize ajustes nessa mudança, mas ela não parecia hesitar sobre esse passo. E, não custa lembrar, tudo isso acontece dias após a rede anunciar a criação de um app para celular do OnlyFans que não vai veicular conteúdo erótico, o que reforça as suspeitas de que, de fato, a proibição vem aí.

Fato é que as novidades movimentam o mercado de conteúdo adulto autoral e pago na web e podem gerar ganhos diretos e indiretos para alguns concorrentes do OnlyFans, como a rival brasileira Privacy ou até mesmo o Twitter — o Super Follow, que permitirá publicações exclusivas para pagantes, poderia muito bem servir aos futuros possíveis “órfãos” do OnlyFans.

O jeito é esperar pelas próximas semanas para saber se novidades mais consistentes a respeito dessa mudança pintam por aí.

ATUALIZAÇÃO: OnlyFans começa a notificar as modelos

Na tarde desta sexta (20), o OnlyFans começou a notificar as modelos que comercializam conteúdo na plataforma a respeito da mudança, confirmando a informação inicial de que a plataforma proibirá a veiculação de conteúdo sexualmente explícito a partir de 1º de outubro de 2021.

OnlyFans começa a notificar criadores de conteúdo sobre a mudança na política de uso (Imagem: Reprodução)
OnlyFans começa a notificar criadores de conteúdo sobre a mudança na política de uso (Imagem: Reprodução)

"A nova política vai proibir a postagem de qualquer novo conteúdo com conduta sexualmente explícita", afirma a mensagem de maneira taxativa. "Conteúdo contendo nudez continuará permitido desde que em concordância com a política", completa a mensagem.

Ainda de acordo com o OnlyFans, conteúdos que não atendem às novas diretrizes devem ser removidos pelos usuários antes de 1º de dezembro de 2021.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos