Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.977,18
    -75,99 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

OnlyFans já repassou R$ 51 bilhões para criadores da plataforma

O Only Fans, plataforma de conteúdo adulto, atingiu um repasse de US$ 10 bilhões (R$ 51 bilhões em conversão direta) para criadores de conteúdo na última semana. A informação foi anunciada nesta quarta-feira (2) pela presidente da empresa, Amrapali Gan, durante o Web Summit em Lisboa, Portugal.

A quantia é referente ao valor pago através das assinaturas na plataforma, que hoje conta com cerca de 2 milhões de influenciadores. Somente os criadores na plataforma ganharam mais de R$ 20 milhões em 2021. Segundo Gan, o foco da empresa está na segurança e bem-estar dos usuários.

Conforme diz a executiva, que assumiu a presidência em 2021, o Only Fans possui um processo de verificação bastante robusto para criadores. "Em outras plataformas, você pode colocar seu nome, e-mail, se inscrever e, de repente, começar a postar conteúdo. Não é assim no OnlyFans", afirma.

Amrapali Gan, presidente-executiva do OnlyFans durante o Web Summit 2022 (Imagem: Reprodução/Ben McShane/Web Summit)
Amrapali Gan, presidente-executiva do OnlyFans durante o Web Summit 2022 (Imagem: Reprodução/Ben McShane/Web Summit)

Denúncia diz que Only Fans possui conteúdo de exploração sexual infantil

Na última quinta-feira (6), a BBC publicou um relato de um investigador norte-americano que afirma ser fácil encontrar imagens de menores com a marca d'água do Only Fans e que foram parar em outros sites. Segundo o investigador, é possível encontrar dez fotos com conteúdos do tipo em apenas uma hora de pesquisa.

Ao ser questionada sobre a reportagem, Amrapali disse que a rede social é rigorosa quanto à verificação de idade e de novos criadores de conteúdo. "Olhando para a nossa moderação de conteúdo, não há algo acontecendo no OnlyFans que não vemos", afirmou. " Sabemos quem são todos e também podemos ver tudo o que estão enviando".

A executiva ressalta que qualquer conteúdo publicado na plataforma, seja fotos, vídeos ou mensagens, podem ser revisados por um ser humano. O sistema de detecção impede a publicação de postagens suspeitas e sinaliza o material para que seja verificado — permitindo que a empresa tome as medidas necessárias.

Além disso, Amrapali diz que o Only Fans trabalha ativamente com as autoridades para a segurança de todos na plataforma. Caso o conteúdo seja vazado, eles entram em contato com a equipe de direitos autorais dos Estados Unidos (DMCA) para retirar o material da internet.

Criadores de conteúdo ficam com 80% dos lucros

A diretora-executiva diz que o Only Fans cobra uma comissão de 20% sobre os valores pagos pelos assinantes, com o restante indo direto para os criados — não importando se é uma conta pequena ou com milhões de seguidores. "Nós realmente somos o primeiro negócio dos criadores, o que significa que não ganhamos dinheiro se os criadores não ganharem dinheiro", afirma.

Segundo a empresa, seu processo de verificação é rigoroso e que, todos os meses, até 60% das solicitações são rejeitadas por não oferecerem dados corretos ou suficientes. O modelo de remuneração e de verificação devem ser mantidos, visto que a empresa descartou o plano de entrar na bolsa de valores em abril. "Somos uma empresa privada, não pretendemos fazer qualquer movimento em relação a IPO [oferta pública inicial], investimentos e coisas assim", finaliza Amrapali.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: