Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,30
    +0,13 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.868,00
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    13.594,83
    +164,16 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,57
    +23,89 (+9,85%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    23.192,97
    -138,97 (-0,60%)
     
  • NASDAQ

    11.170,25
    -172,50 (-1,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7482
    +0,0026 (+0,04%)
     

ONG Transparência Internacional vê 'descaso' de Bolsonaro no combate à corrupção

Isadora Peron
·1 minuto de leitura

Organização criticou decisão de Bolsonaro de indicar o ministro Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) para o Tribunal de Contas da União A ONG Transparência Internacional classificou como "completo descaso" no combate à corrupção a decisão do presidente Jair Bolsonaro de indicar o ministro Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) para o Tribunal de Contas da União (TCU). Ele ocupará a vaga de José Múcio Monteiro, que irá se aposentar este ano. "Indicar Jorge Oliveira, um amigo pessoal sem qualquer experiência em contabilidade pública, para o órgão de controle mais importante do país é mais um ato de completo descaso de Bolsonaro com a independência das instituições e com a luta contra a corrupção", disse a entidade em nota publicada no Twitter. Nas postagens, a Transparência Internacional lembra que o TCU é o órgão responsável pelo controle externo do governo federal e por fiscalizar as contas de todo o país. "O Brasil não precisa de apadrinhados políticos em órgãos fundamentais no combate à corrupção, e sim de mais independência em suas instituições", diz o texto. Amigo pessoal da família Bolsonaro, Jorge Oliveira era o favorito de Bolsonaro para a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). Porém, Oliveira não quis ocupar essa vaga. O ministro externou a Bolsonaro o desejo de ocupar um posto de peso no campo jurídico antes de ser alçado ao STF, e a opção dele seria o TCU. Jorge estaria de olho na segunda vaga a ser aberta no ano que vem com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello. Mas também não descarta ser indicado em um eventual segundo mandato de Bolsonaro, quando outras duas vagas serão abertas no Supremo. Jorge Oliveira, ministro da Secretaria-Geral Denio Simoes/Valor