Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,71
    +0,51 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.747,20
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.446,73
    +228,06 (+1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.504,50
    -20,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4519
    -0,0973 (-1,75%)
     

ONG acusa Carrefour de manter laços com empresas acusadas de desmatar a Amazônia

O gigante comercial francês Carrefour, que havia anunciado a suspensão de sua colaboração com alguns fornecedores acusados de desmatamento na Amazônia, não está cumprindo seus compromissos – denunciou a ONG ambientalista Mighty Earth nesta sexta-feira (25).

Em setembro, a ONG publicou um estudo sobre 102 produtos cárneos distribuídos pelo Carrefour no Brasil. Segundo a organização, dois terços desses artigos eram procedentes dos frigoríficos da JBS, com frequência acusados de favorecer o desmatamento.

À época, o Carrefour reagiu imediatamente, anunciando a suspensão desse fornecimento.

A Mighty Earth afirma, no entanto, que em outubro voltou a verificar a origem de 310 itens vendidos em dez supermercados do grupo, em sete cidades brasileiras.

"Os resultados são implacáveis. O Carrefour não aplicou essas suspensões em todas as suas lojas. A Mighty Earth identificou 12 produtos cárneos procedentes dos dois frigoríficos envolvidos (Vilhena, Pimenta Bueno) em quatro lojas do grupo."

Entre suas filiais, o Carrefour tem a rede Atacadão, especialista no atacado, que deve abrir lojas na França no ano que vem, lembra a Mighty Earth em uma nota.

O Carrefour reconhece, por sua vez, "um erro nas instruções".

"Lamentamos isso e estamos verificando se outras lojas, que compram diretamente no nível local, estão envolvidas", declarou uma porta-voz do Carrefour.

O grupo, afirmou a porta-voz, “faz enormes esforços para resolver estas situações, caso a caso”.

Em 8 de novembro, o Carrefour havia prometido que toda a carne bovina vendida em seus supermercados e hipermercados, sob sua própria marca, seria classificada como “livre de desmatamento” até 2026.

“A Mighty Earth considera que, com a eleição do presidente Lula, o Carrefour deve ir além e se comprometer com o desmatamento zero e supervisionar a robustez de sua aplicação”, em particular, a cadeia de abastecimento, insiste a organização.

dep/ha/jz/meb/tt