Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.180,96
    -570,68 (-1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

ONG acusa C&A e Hugo Boss de se beneficiarem do trabalho forçado de uigures

·2 minuto de leitura
Os Estados Unidos afirmam que Pequim está cometendo genocídio contra uigures e outros povos em Xinjiang, onde mais de um milhão de pessoas foram detidas em campos (AFP/GREG BAKER)

Uma ONG alemã anunciou nesta segunda-feira (6) que entrou com uma ação judicial na Alemanha contra várias empresas, como C&A e Hugo Boss, por supostamente "se beneficiarem" do trabalho forçado de membros da minoria muçulmana uigur na China, uma acusação negada pelas companhias.

O Centro Europeu para Direitos Constitucionais e Direitos Humanos (ECCHR), uma organização não governamental com sede em Berlim, afirmou ter "apresentado uma denúncia contra várias empresas alemãs" por "suposta cumplicidade em crimes contra a humanidade".

Entre elas estão Hugo Boss, C&A, Lidl, Aldi Norte e Aldi Sur. A organização as acusa de "se beneficiarem e serem cúmplices, direta ou indiretamente, do trabalho forçado da minoria uigur em Xinjiang".

Vários países ocidentais acusam a China de prender em massa membros dessa comunidade, em sua maioria muçulmana e de língua turca, em campos de trabalho localizados no oeste do país. Pequim nega o termo "genocídio" e afirma que se tratam de centros de formação profissional.

Muitas fábricas têxteis operam nesta região e, segundo ativistas, são fornecedoras de multinacionais.

A ONG reconhece que é difícil obter provas tangíveis de trabalho forçado entre os fornecedores dessas empresas, mas questiona "se o fato de manter relações comerciais não é uma forma de ajudar e promover esses crimes", disse à AFP a advogada Miriam Saage-Maass, diretora do ECCHR.

Segundo ela, “esses cinco casos são apenas um exemplo de um problema muito mais vasto e sistêmico”.

Em declarações à AFP, a varejista de moda C&A afirmou "não tolerar trabalho forçado (...) em sua cadeia de abastecimento", enquanto a rede de supermercados Aldi garantiu ter "estabelecido normas vinculantes para todos os seus parceiros comerciais" para evitar esses problemas.

A grife Hugo Boss lembrou que “pediu há meses a seus fornecedores que se informem e confirmem que a produção de bens na cadeia de abastecimento é realizada de acordo com (...) os direitos humanos”.

Por sua vez, a rede de supermercados Lidl disse à AFP que a denúncia da ONG se baseia em "listas antigas de fornecedores".

Na França, a associação anticorrupção Sherpa apresentou uma acusação semelhante em abril contra quatro multinacionais de vestuário, incluindo Uniqlo e Zara.

fcz/yap/clr/erl/jvb/ic/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos