Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,30
    -0,19 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    42.561,57
    -165,78 (-0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.206,81
    -46,33 (-3,70%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.214,25
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4303
    +0,0002 (+0,00%)
     

OneWeb lança mais satélites de internet e constelação já chega a 182 unidades

Danielle Cassita
·3 minuto de leitura

Neste domingo (25), um foguete Soyuz decolou do Cosmódromo de Vostochny, na Rússia, levando um conjunto de 36 satélites da OneWeb para a órbita, que irão compor uma constelação para fornecer internet para o mundo todo. Com este lançamento, a constelação da empresa já soma um total de 182 unidades, mas deverá chegar a 650 com os próximos lançamentos.

O foguete decolou da plataforma de lançamentos com quase um milhão de libras de empuxo e avançou na direção norte. Depois, o Soyuz-2.1b ativou os quatro propulsores do seu primeiro estágio e, após cerca de cinco minutos, o estágio central foi desativado, seguido da ignição do terceiro. O estágio superior Fregat se separou e ativou seus motores quase 10 minutos após o lançamento, para levar os 36 satélites à órbita preliminar de transferência.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O segundo estágio Fregat manteve seus motores ativados por cerca de uma hora e injetou os satélites na órbita, a 450 km de altitude, sendo que o último quarteto de satélites foi liberado quase quatro horas após o lançamento. A Arianespace, empresa contratada para realizar o lançamento, confirmou que a separação dos 36 satélites ocorreu com sucesso. Segundo informações da OneWeb, as equipes em solo receberam sinais de todos os satélites recém-lançados, que confirmavam estarem ativos e funcionais.

Agora, cada um vai implantar seus painéis de energia solar, e os propulsores dos satélites serão usados para que cheguem à altitude de 1.200 km nos próximos meses. Com este novo lançamento, a OneWeb já chega a 182 satélites de internet em órbita, sendo que a constelação final deve chegar a 648 deles. De acordo com a empresa, esse foi o terceiro lançamento de uma série de cinco missões, que já serão suficientes para oferecer o serviço a usuários do Alasca, Reino Unido, Groenlândia e outros países: “o serviço estará pronto para ser iniciado no fim do ano, com disponibilidade global em 2022”, disse a empresa.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A OneWeb passou por alguns momentos conturbados no ano passado. Em março, a empresa entrou com um pedido de falência para tentar proteger seus negócios enquanto tentava se recuperar financeiramente. Depois, em setembro, a empresa foi comprada pelo governo britânico e pela operadora indiana Bharti Global, o que permitiu dar continuidade ao projeto. Contudo, a OneWeb não está sozinha no desenvolvimento de uma rede de satélites para levar internet a todo o mundo: a SpaceX é o nome mais forte do setor, já que é a que está mais próxima de iniciar seus serviços comerciais.

Até o momento, a empresa de Elon Musk já soma aproximadamente 1.400 satélites Starlink na órbita, total que inclui protótipos e unidades que não estão mais em operação — mas, segundo a SpaceX, há mais de 1.300 satélites ativos na constelação. Nesse caso, como os satélites ficam mais perto da Terra, a constelação exige mais unidades do que o projeto da OneWeb. Futuramente, a Amazon também deverá entrar no jogo da internet via satélite com os satélites do Projeto Kuiper, que também visam fornecer conexão para todo o mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: