Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    34.825,51
    -3.704,48 (-9,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Onda recorde de IPOs emergentes encontra investidor ressabiado

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- Empresas de mercados emergentes abriram capital em 2021 a uma velocidade recorde, logo antes de um ano que deve ser desafiador para os investidores de ações.

Embora o preço da maioria dessas ações emitidas recentemente tenha subido desde a estreia em bolsa, o índice MSCI Emerging Markets registrou seu pior ano desde 2018. Isso sugere que o apetite por ativos de risco esteja diminuindo, com variantes do coronavírus e taxas de juros mais altas turvando o cenário nos próximos meses.

Esses ventos contrários pareciam mais distantes quando uma maior necessidade por capital e a expectativa de retomada econômica global levaram 1.162 empresas de países emergentes a fazer ofertas públicas iniciais de ações em bolsas locais ou estrangeiras no ano passado. Ao todo, as ofertas levantaram US$ 228 bilhões, um aumento de cerca de 31% em relação a 2020, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

“No ano passado, especialmente no primeiro semestre, vimos um ‘boom’ de IPOs relacionados a tech nos mercados emergentes”, disse Ignacio Arnau, gestor da Bestinver Asset Management, que gere cerca de US$ 8 bilhões. “Havia fatores tanto de fundamentos como de escassez guiando o apetite no mercado.”

A onda de novas listagens pode ter saciado alguma demanda por parte do mercado, especialmente no setor de tecnologia, diz Arnau, que vê menos transações menores sendo bem-sucedidas neste ano, independentemente de sua qualidade.

“Há várias empresas de alta qualidade com conceitos provados, modelos de negócios lucrativos e ótimos históricos negociando a valuations muito baratos”, ele disse.

Em 2021, a China liderou os IPOs de emergentes, com 602 ofertas, seguida por Coréia do Sul, Índia, Indonésia e Brasil. Daquelas transações cuja fixação de preço foi monitorada pela Bloomberg, a maioria veio dentro da faixa indicativa.

Desde que essas ações começaram a negociar, os preços subiram -- em uma média ponderada por tamanho -- em 30%, mostram os dados. Isso representa ganhos de 37% para empresas emergentes da Ásia e 27% para as do Oriente Médio e da África. Enquanto isso, as ações da América Latina e da Europa emergente caíram 14% e 13% desde a estreia, respectivamente.

A diversidade de performance pode estar relacionada às tendências de recuperação regional, bem como aos tipos de empresas que abriram o capital e tiveram desempenho superior no ano passado. As ações asiáticas de consumo, industriais e de tecnologia recém-listadas estavam entre aquelas que subiram -- em uma base de média ponderada -- assim como muitas das empresas que abriram capital do Oriente Médio e da África nos setores de utilities e energia. Perdas no setor de comunicação atingiram a Europa emergente, enquanto os mercados latino-americanos foram impactados pelo risco político e as consequências contínuas da pandemia.

Em 2022, o escrutínio regulatório de Pequim e novas regras para ofertas de ações da China no exterior podem pesar sobre o ímpeto dos IPOs. O regulador do mercado de capitais da Índia também endureceu as regras em um momento em que empresas baseadas em tecnologia de consumo -- algumas delas ainda não lucrativas -- acessam o mercado.

Mesmo assim, a segunda maior fabricante de baterias do mundo em Seul e uma seguradora indiana com mais de 1,2 milhão de agentes estão entre os negócios que podem vir a mercado neste ano. Dubai também planeja listar uma série de empresas em uma tentativa de atrair investidores e ecoar o sucesso dos mercados de Abu Dhabi e Riyadh, que se beneficiaram de um boom de IPOs no ano passado.

No Brasil, banqueiros de investimento esperam que os negócios desacelerem à medida que os juros sobem e o país passa por uma eleição presidencial. Alguns dizem que o número de IPOs pode cair de cerca de 50 em 2021 para apenas 10 em 2022.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos