Mercado abrirá em 54 mins
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,00
    -0,15 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.745,30
    +9,00 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    62.596,41
    -1.938,95 (-3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.366,49
    -9,29 (-0,67%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.967,33
    +27,75 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.908,00
    +109,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7661
    -0,0068 (-0,10%)
     

Correção: Emissões de títulos da América Latina ganham força

Caleb Mutua
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A emissão de títulos internacionais da América Latina mostra o ritmo mais rápido desde 2017, e não há desaceleração à vista, já que os emissores se apressam para garantir as taxas de juros atuais antes que subam muito.

“Vamos começar a ver uma melhora substancial das emissões”, disse Max Volkov, responsável por mercado de capital de dívida para América Latina no Bank of America. “Abril e maio devem ser mais movimentados este ano do que nos anos anteriores, devido ao fato de que as taxas de juros estão subindo”, disse em entrevista.

Governos e empresas tomaram emprestado cerca de US$ 50,4 bilhões este ano, excluindo emissões locais, segundo dados compilados pela Bloomberg. É o maior volume desde 2017, quando captaram US$ 57,2 bilhões no mesmo período. O México voltou ao mercado de títulos em dólares na terça-feira pela segunda vez este ano e captou US$ 2,5 bilhões em dívidas de 20 anos. A emissão abre portas para outros emissores da região, disse Volkov.

O Bank of America - o quinto maior subscritor de títulos internacionais da América Latina este ano - participou da emissão do México.

Após um rápido início de ano, o volume de títulos latino-americanos do mês passado foi reduzido pela volatilidade dos juros, que desde então caíram. Os emissores que optaram por evitar março se preparam para ofertas em abril e maio, disse Volkov.

Chile, Peru e Panamá estão entre os países com grau de investimento ativos no mercado primário recentemente, e mais emissores podem decidir vender títulos, de acordo com Jake Gearhart, responsável por mercado de capital de dívida para América Latinado Deutsche Bank. O Chile emitiu um título de sustentabilidade Formosa de US$ 1,5 bilhão com vencimento em 2053 na semana passada.

“Vão acelerar planos de emissão adicionais no segundo trimestre?” Gearhart disse em entrevista na quarta-feira, em referência a emissores latino-americanos. “Há muitos bons motivos para tentar isso se você realmente acredita que os juros estão subindo. Em nossa opinião, muitos emissores e investidores estão convencidos disso.”

Outros tipos de emissores da região podem seguir o exemplo.

“Com soberanos abrindo as portas para novas emissões, começaremos a ver empresas e instituições financeiras em seguida”, disse Volkov.

O mercado primário também é receptivo a emissores com classificação logo abaixo do grau de investimento, até mesmo os de primeira viagem. O Deutsche Bank tem “um punhado” de operações de alto rendimento em andamento, acrescentou Gearhart.

(Corrige para esclarecer comentário de Gearhart no sexto parágrafo.)

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.