Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,38
    -0,12 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.772,20
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    23.391,54
    +64,74 (+0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.540,00
    +46,75 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2138
    -0,0454 (-0,86%)
     

Onda de calor no Reino Unido teria sido "impossível" sem as mudanças climáticas

As temperaturas surpreendentemente altas que atingiram o Reino Unido nas últimas semanas seriam praticamente impossíveis de serem alcançadas na ausência das mudanças climáticas induzidas pela ação humana. É o que explicam cientistas de um grupo de estudos do clima — segundo eles, o calor recente é apenas uma prévia das ondas de calor, incêndios e secas que devem vir nos próximos anos.

As conclusões vêm de cientistas do grupo World Weather Attribution, que une estudiosos do clima após eventos climáticos extremos para determinar se as mudanças climáticas aumentaram as chances de algo do tipo acontecer. Desta vez, eles analisaram estações climáticas em Cranwell, Lincolnshire, St. James Park e Durham e combinaram diferentes recordes de temperatura no passado.

Especialistas observam que mais ondas de calor e incêndios devem ocorrer nos próximos anos (Imagem: Reprodução/Sandsun/Envato Elements)
Especialistas observam que mais ondas de calor e incêndios devem ocorrer nos próximos anos (Imagem: Reprodução/Sandsun/Envato Elements)

Com uma série de modelos matemáticos, eles avaliaram como as mudanças climáticas vêm afetando o tempo. “Como sabemos muito bem como vários gases do efeito estufa foram levados à atmosfera desde o começo da revolução industrial, podemos tirar essas coisas do modelo e simular como seria um mundo sem as mudanças climáticas”, disse a Dra. Friederike Otto, líder do grupo.

Assim, os cientistas puderam comparar um mundo sem 1,1 ºC de aquecimento a outro, com este aumento de temperatura. Para ela, temperaturas tão altas quanto aquelas observadas em Londres são raras, e o esperado é que elas acontecessem em intervalos de 500 a 1.500 anos — só que, conforme as temperaturas do mundo aumentam, a probabilidade deste calor intenso acontecer com maior frequência também sobe.

Otto alerta que, se o Reino Unido quiser manter o calor extremo como um evento raro, deve alcançar a neutralidade do carbono em breve — ou seja, é necessário parar de acrescentar à atmosfera gases que contribuem para o efeito estufa. “Cada pequena parte de aquecimento realmente faz com que esses tipos de eventos sejam mais prováveis e ainda mais quentes”, finalizou.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos