Mercado fechará em 1 h 29 min
  • BOVESPA

    121.441,70
    -359,51 (-0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.201,83
    +6,40 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,00
    +0,85 (+1,25%)
     
  • OURO

    1.806,40
    -8,10 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    40.756,00
    +1.083,79 (+2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.003,85
    +27,96 (+2,86%)
     
  • S&P500

    4.419,90
    +17,24 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    34.974,24
    +181,57 (+0,52%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.156,75
    +83,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1749
    +0,0566 (+0,93%)
     

Onda de calor matou mais de 1 bilhão de criaturas marinhas

·2 minuto de leitura
Onda de calor matou mais de 1 bilhão de criaturas marinhas
Onda de calor matou mais de 1 bilhão de criaturas marinhas

À medida que a onda de calor na região do noroeste do Pacífico diminui, e os termômetros apontam temperaturas mais baixas, um cenário cada vez mais catastrófico vai sendo deixado para trás. Agora, cientistas estimam que mais de um bilhão de criaturas marinhas morreram em decorrência do aumento repentino da temperatura das águas do local.

As criaturas marinhas que perderam mais indivíduos em decorrência da onda abrupta de calor foram os mexilhões, que, segundo os pesquisadores, foram cozidos vivos dentro de suas conchas. Além deles, estrelas do mar morreram desidratadas e salmões não conseguiram nadar por conta do superaquecimento das águas dos rios.

Mexilhões mortos
Mexilhões foram cozidos dentro de suas conchas. Crédito: Christopher Harley/University of

O biólogo marinho da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, Christopher Harley, descreveu o cenário como “pós-apocalíptico”. Para estimar o número total de mortes, o professor examinou uma região específica na busca de mexilhões azuis e outros animais que vivem nesses canteiros. A partir dessa contagem, ele chegou a um número de mais de um bilhão de criaturas.

Resgate de animais

Como resposta a tragédia ambiental, organizações governamentais precisaram remover fisicamente algumas criaturas marinhas que sobreviveram para locais com água mais fria. Um exemplo de ação desse tipo foi realizada pela Agência de Caça e Pesca de Idaho, que levou salmões vermelhos de rios superaquecidos para aquários.

Para alguns peixes, porém, esse resgate não foi possível, como é o caso do salmão chinook, muito comum no vale central da Califórnia, onde a água deve ficar quente demais para que os ovos e os filhotes consigam sobreviver. Segundo o biólogo da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA, Jonathan Ambrose, o índice de mortalidade desses salmões pode chegar a mais de 90%.

Leia mais:

Para alguns pesquisadores, eventos como esse são bastante desanimadores, contudo, eles esperam não se deixar abalar e encontrar algum ponto positivo dentro de uma tragédia ambiental tão grande. Para Christopher Harley, é necessário não ficar muito deprimido ou se sentir oprimido, porque isso pode lhes tirar a vontade de continuar tentando salvar os animais, o que não pode acontecer.

Com informações de Futurism e CNN

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos