Mercado abrirá em 7 h 34 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,28
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.813,40
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.252,19
    -1.447,54 (-3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    929,35
    -31,55 (-3,28%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.109,59
    -126,21 (-0,48%)
     
  • NIKKEI

    27.620,33
    -160,69 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.980,75
    +28,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1220
    -0,0221 (-0,36%)
     

Onda de banimentos do WeChat remove dezenas de usuários LGBTQIA+ da plataforma

·2 minuto de leitura

O WeChat, o mensageiro da Tencent extremamente popular na China e que começa a se tornar popular também em outras partes do mundo, excluiu dezenas de contas de usuários LGBTQIA+ na última semana. Usuários teriam violado regras de informação na internet, o que culminou no bloqueio das contas e na exclusão do conteúdo. A comunidade, porém, teme que crescimento na repressão ao conteúdo gay na rede.

Relatos de membros de grupos LGBTQ chegaram à Reuters alegando que o acesso às próprias contas do WeChat havia sido bloqueado na noite do dia 6 de julho. A maior parte das contas eram gerenciadas por universitários.

“Não posso acreditar que isso está acontecendo em 2021, não posso crer que isso aconteceu nas universidades que deveriam assumir o espírito pioneiro e um lugar de educação e respeito”, disse um usuário em uma publicação no Weibo.

A comunidade LGBTQ ainda é alvo de discriminação ao redor do mundo, e no país asiático não é diferente. Embora tenha sido desqualificada como transtorno psicológico pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1990, a China só removeu a orientação sexual da lista de doenças mentais em 2001.

Em maio deste ano, uma disputa judicial destacou o preconceito de instituições chinesas. O tribunal chinês decidiu manter a descrição de um livro didático, que qualificava homossexualidade como um transtorno mental, de acordo como o South China Morning Post.

Violação teria sido o motivo dos banimentos

Contatado pela Reuters, o WeChat se restringiu a dizer que os grupos “violaram os regulamentos sobre a gerenciamento de contas que oferecem serviço de informação pública na Internet Chinesa”. Nem mesmo pesquisas manuais conseguem encontrar os perfis excluídos. A Tencent não quis fazer comentários.

Em resposta ao banimento, pelo menos dois grupos de estudantes LGBTQ emitiram comunicados contra a remoção das contas no WeChat. As entidades temem que a censura de conteúdo do tipo esteja novamente em alta no país, tomando o espaço dessas pessoas a começar pela internet.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos