Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.853,91
    -3.292,65 (-6,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7633
    +0,0244 (+0,36%)
     

OMS visita mercado de Wuhan pela 1ª vez para investigar origens da COVID-19

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

No dia 28 de janeiro, pesquisadores da Organização Mundial de Saúde finalizaram o período de quarentena na China para finalmente dar início às investigações de campo para descobrir a origem da COVID-19. Uma das primeiras visitas aconteceu no último domingo (31), com o grupo se dirigindo ao mercado de frutos do mar Huanan Seafood Market, que está conectado aos primeiros casos de contaminação pelo coronavírus.

Peter Daszak, um dos membros da equipe da OMS que está em Wuhan, conta que a visita é muito importante "para entender como a epidemia da COVID-19 começou a se espalhar no final de 2019". Em depoimento à CNN, o grupo afirmou que agora tem em mãos dados de meses de registros gripais da China que podem trazer informações sobre o início das contaminações pelo SARS-CoV-2.

<em>Imagem: Reprodução/Thomas Peter/Reuters</em>
Imagem: Reprodução/Thomas Peter/Reuters

O líder da equipe, Peter Ben Embarek, que também é especialista em alimentos, conta que mesmo que o mercado já esteja todo desinfectado, todas as vendas e equipamentos ainda estão lá. "Isso traz uma boa ideia do estado do mercado em relação à manutenção, infraestrutura, higiene e fluxo de produtos e pessoas", complementa. Além de estudar o local, os pesquisadores puderam conversar com trabalhadores e pessoas que moram aos arredores do mercado.

Embarek diz que "está claro que alguma coisa aconteceu no mercado", mas que ainda é muito cedo para tirar conclusões. "Pode ser também que outros locais tiveram o mesmo papel (na propagação da doença) e este (Huanan) foi escolhido porque alguns médicos foram espertos o suficiente para conectar alguns casos esporádicos juntos", afirma.

Thea Fisher, professora e também membro do grupo, diz estar surpresa em ver o quão útil será ter em mãos dados sobre o mercado, mesmo que ele tenha ficado deserto no último ano. "Temos muitas pessoas boas em saúde pública conosco que retiraram amostras ambientais do mercado, nos explicando exatamente de onde foram retiradas do sistema de ventilação", conta. Daskaz complementa a informação da professora dizendo que é assustador ver as lojas vazias e os equipamentos ainda no local.

A equipe de pesquisadores da OMS se prepara ainda para visitar o Centro de Controle de Doenças em Hubei e o Instituto de Virologia de Wuhan. Lá, eles têm um encontro marcado com a virologista Shi Zhengli, conhecida como "Bat Lady", ou "Senhora Morcego", na tradução literal, que pesquisa coronavírus semelhantes ao SARS vindos de morcegos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: