Mercado abrirá em 6 h 46 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,67
    +1,10 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.826,40
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.801,54
    -377,96 (-1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    452,41
    -9,38 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.120,18
    -109,34 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    27.005,53
    +134,26 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.061,75
    +21,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

OMS: varíola dos macacos já circulava antes de ser detectada

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Mais de 20 países já registraram casos atípicos da varíola dos macacos (monkeypox) no mundo. Diante do atual cenário, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta para a possibilidade da doença circular por "várias semanas ou mais" antes de ser identificada oficialmente.

Segundo a plataforma Our World in Data, pelo menos 24 países já notificaram casos da varíola dos macacos, somando mais de 550 casos da infecção. Na América do Sul, apenas a Argentina registrou casos da doença. No Brasil, o Ministério da Saúde investiga dois possíveis casos, sendo um no Ceará e outro em Santa Catarina. No país, um terceiro está em discussão no Rio Grande do Sul.

Transmissão da varíola dos macacos ocorre há mais de semanas, segundo a OMS (Imagem: K.L. Herrmann/CDC)
Transmissão da varíola dos macacos ocorre há mais de semanas, segundo a OMS (Imagem: K.L. Herrmann/CDC)

Varíola dos macacos circulava antes de ser identificada

Para a OMS, "o aparecimento repentino e o amplo escopo geográfico de muitos casos esporádicos [da varíola dos macacos] indicam que a transmissão generalizada de humano para humano já está em andamento, e o vírus pode estar circulando sem reconhecimento por várias semanas ou mais". Este cenário pode ter favorecido a disseminação do vírus entre os países onde a doença não é endêmica.

Atualmente, os casos são relatados simultaneamente em áreas geográficas da OMS amplamente díspares e sem vínculos epidemiológicos conhecidos com países da África Ocidental ou Central, explica a OMS. Além disso, a maior parte dos casos foi identificada entre homens que fazem sexo com homens (HSH).

Quais são os países mais afetados?

De acordo com a plataforma Our World in Data, os cinco países não endêmicos mais afetados pelos surtos da varíola dos macacos são:

  • Reino Unido: 179 casos da varíola dos macos;

  • Espanha: 120 casos;

  • Portugal: 96 casos;

  • Holanda: 26 casos;

  • Canadá: 26 casos.

Vale explicar que, diferente do atual surto, alguns países do continente africano lidam anualmente com números significativos da doença. Em áreas endêmicas, já foram contabilizados 1.365 casos da infecção desde o começo deste ano. Além disso, foram contabilizados 69 óbitos. Entre estes países, o mais afetado é a República Democrática do Congo, com 1,2 mil casos e 58 mortes.

O que sabemos sobre os surtos do monkeypox?

As autoridades de saúde e cientistas investigam as origens dos surtos atípicos da varíola dos macacos. No momento, ainda não se sabe se o atual vírus sofreu alguma mutação, o que pode favorecer a sua transmissão. Do outro lado, sabe-se que é o clado (variante genética) da África Ocidental responsável pelos atuais surto em países não endêmicos.

"O sequenciamento genômico, quando disponível, está sendo realizado para caracterizar ainda mais o vírus da varíola dos macacos que circula neste surto. Vários países europeus (Bélgica, França, Alemanha, Holanda e Portugal) publicaram sequências genômicas completas ou preliminares do vírus da varíola dos macacos para o surto atual", comenta a OMS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos