Mercado abrirá em 8 h 10 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,98
    +0,69 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.761,60
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    42.399,45
    -3.274,39 (-7,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.058,19
    -76,20 (-6,72%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.022,12
    -77,02 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    29.972,12
    -527,93 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    15.082,00
    +72,50 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2466
    +0,0019 (+0,03%)
     

OMS sobe o tom e se diz "chocada" com países que acumulam vacinas contra COVID

·2 minuto de leitura

Na busca por uma distribuição mais igualitária de vacinas contra o coronavírus SARS-CoV-2, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou inúmeras inciativas, como a COVAX Facility. Agora, o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus revelou estar "chocado" com países que acumulam doses dos imunizantes contra a COVID-19 e que distribuem reforços para toda a população.

Durante coletiva de imprensa na quarta-feira (8), o diretor-geral da OMS explicou que inúmeros países se comprometeram em doar vacinas contra a COVID-19 para as nações mais pobres, mas a maioria das promessas não se concretizou. É neste cenário que se "chocava", de acordo com a Ars Technica.

OMS defende direito de acesso aos imunizantes contra a COVID-19 para países pobres (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
OMS defende direito de acesso aos imunizantes contra a COVID-19 para países pobres (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

De acordo com dados da OMS, cerca de 5,5 bilhões de doses da vacina contra o coronavírus já foram administradas até agora. No entanto, a maioria dessas doses — cerca de 80% — foram para países de renda alta e média renda. Segundo a plataforma Our World in Data, apenas 1,9% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose.

“Há muita conversa sobre a igualdade da vacina, mas muito pouca ação”, explicou Tedros. Inclusive, a OMS continua a defender que não existem evidências que demonstrem que as vacinas de reforço são clinicamente necessárias para toda a população contra a COVID-19. Nesta quinta-feira (9), a farmacêutica AstraZeneca alertou sobre a pressa para aplicar a terceira dose na população.

Moratória da terceira dose

Com a dificuldade em avançar a vacinação contra a COVID-19 em países pobres, OMS estendeu a moratória sobre as doses de reforço até o final de 2021. Em outras palavras, a organização pediu que países esperem o final do ano para aplicarem as doses extras. Caso a espera aconteça, Tedros espera que os países mais pobres finalmente tenham a oportunidade de elevar suas taxas de vacinação, chegando até 40% de proteção.

Para ilustrar a situação, o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Mike Ryan, explicou, em uma entrevista coletiva, que as doses extras são como "distribuir coletes salva-vidas extras para pessoas que já têm coletes salva-vidas, enquanto deixamos outras pessoas se afogarem".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos