Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.349,18
    -1.019,92 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

OMS quer erradicar a malária em 25 países antes de 2025

·1 minuto de leitura
Oito novos países serão adicionados à lista dos 17 que já participavam desta campanha, mas que não conseguiram eliminar a doença

A Organização Mundial da Saúde (OMS) quer acabar com a malária em 25 países até 2025, entre eles Honduras, Guatemala e Panamá, graças a uma nova iniciativa lançada nesta quarta-feira (21).

"A iniciativa E-2025 fornecerá um apoio a esses países no último desafio para eliminar a malária", explicou a organização em um comunicado, às vésperas do dia mundial dedicado a combater esta doença que mata todo ano centenas de milhares de pessoas.

Oito novos países serão adicionados à lista dos 17 que já participavam desta campanha, mas que não conseguiram eliminar a doença. São eles: Guatemala, Honduras, Panamá, República Dominicana, Coreia do Norte, São Tomé e Príncipe, Tailândia e Vanuatu.

Entre as outras nações que já estavam no programa destacam-se África do Sul, Arábia Saudita, México, Costa Rica, Equador e Coreia do Sul.

Algumas delas não registraram nenhum caso local de malária, mas não pediram a certificação oficial da OMS como país isento da doença.

Em 2019, o número de novos casos chegava às 229 milhões de pessoas, um número relativamente estável nos últimos quatro anos. Desde 2018, as mortes se mantêm em cerca de 400.000 por ano. Dessas, 90% ocorrem na África, onde mais de 265.000 crianças morreram devido a esta doença em 2019.

Conseguir erradicar a malária "se deve principalmente à vontade política de acabar com a doença em um país onde é endêmica", afirmou o médico Pedro Alonso, responsável pelo combate à malária na OMS.

Segundo as estatísticas da instituição, no mundo há 87 países afetados pela malária, 46 deles declararam menos de 10.000 casos em 2019, contra os 26 em 2000.

vog/apo/sst/es/mb/aa