Mercado fechará em 2 hs
  • BOVESPA

    114.314,38
    -1.353,40 (-1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.248,04
    +96,66 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,62
    +0,40 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.773,20
    -24,70 (-1,37%)
     
  • BTC-USD

    49.516,34
    +21,35 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    990,90
    -3,76 (-0,38%)
     
  • S&P500

    3.837,64
    -87,79 (-2,24%)
     
  • DOW JONES

    31.457,70
    -504,16 (-1,58%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.927,00
    -375,00 (-2,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7320
    +0,1615 (+2,46%)
     

OMS planeja aprovar vacinas de diversas empresas para agilizar imunização globalmente

Francesco Guarascio
·2 minuto de leitura
Pandemia de Covid-19

Por Francesco Guarascio

BRUXELAS (Reuters) - A Organização Mundial de Saúde (OMS) planeja aprovar várias vacinas de produtores do Ocidente e da China nas próximas semanas e meses, segundo um documento publicado nesta quarta-feira, com o objetivo de realizar rápidas vacinações em países mais pobres.

O Covax, esquema global de distribuição e vacinas coliderado pela OMS, quer entregar pelo menos 2 bilhões de doses de Covid-19 ao redor do mundo este ano, sendo pelo menos 1,3 bilhão para países mais pobres.

Mas até agora o programa tem tido dificuldades para assegurar doses suficientes devido a uma escassez de recursos, enquanto países ricos reservam grandes volumes de vacinas para si próprios.

Em uma corrida para aplicar as doses, as aprovações de órgãos regulatórios são chave para confirmar a efetividade e a segurança das vacinas e para aumentar a produção, mas alguns países mais pobres dependem das autorizações da OMS porque têm uma limitada capacidade regulatória.

A OMS está, portanto, “acelerando” aprovações de emergência, segundo um documento interno do Covax visto pela Reuters.

A vacina contra Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca e produzida pelo Instituto Serum da Índia pode ser autorizada pela OMS em janeiro ou fevereiro, diz o documento.

Assim como as vacinas, os reguladores geralmente autorizam os processos de produção em diferentes fábricas.

A vacina da AstraZeneca, desenvolvida com a Universidade de Oxford, já recebeu aprovação de uso emergencial no Reino Unido e no Brasil, entre outros países. União Europeia e Estados Unidos estão próximos de tomar uma decisão.

O Covax tem contratos de fornecimento com a AstraZeneca e com o instituto indiano para aproximadamente 400 milhões de doses e uma opção para mais centenas de milhões, embora o cronograma de entrega seja incerto.

A OMS autorizou a vacina desenvolvida pela Pfizer e sua parceira alemã BioNTech <22UAy.DE >no fim de dezembro. O Covax não incluiu em um primeiro momento a dose da Pfizer/BioNTech em sua lista de compras antecipadas.

O calendário de aprovação temporária também mostra que a OMS deve aprovar a vacina da Moderna, que se baseia na mesma tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) da Pfizer, no fim de fevereiro.

A vacina desenvolvida pela Johnson & Johnson (J&J), que tem um acordo não vinculante de fornecimento com o Covax para 500 milhões de doses sem um cronograma definido, deve receber aprovação da OMS apenas em maio ou junho, no mínimo, de acordo com o documento da OMS.

A J&J ainda não publicou os resultados dos testes clínicos de Fase 3 da sua vacina.

A OMS também está considerando possíveis aprovações rápidas para duas vacinas chineses, segundo o calendário provisório, da Sinopharm e da Sinovac.

(Reportagem de Francesco Guarascio, em Bruxelas; Reportagem adicional de Stephanie Nebehay, em Genebra; Polina Ivanova, em Moscou; Sangmi Cha, em Seul; e Roxanne Liu, em Pequim)