Mercado fechará em 3 h 37 min

OMS pede que Brasil mantenha transparência em dados sobre a covid

Ministério da Saúde divulgou informações discrepantes sobre a evolução da pandemia no país A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta segunda-feira que espera que o Brasil mantenha a divulgação diária de dados detalhados sobre a evolução da pandemia de covid-19 no país. Para a entidade, a transparência e a consistência dos números são essenciais para o combate ao novo coronavírus.

O pronunciamento da OMS ocorre após o governo federal anunciar mudanças no horário de publicação das informações e modificar o formato do balanço diário, excluindo números totais de casos e mortes. Ontem, o Ministério da Saúde divulgou informações discrepantes sobre a evolução da pandemia no país.

Questionado sobre a postura do governo de Jair Bolsonaro, o diretor do Programa de Emergências da OMS, Mike Ryan, disse que o entendimento da OMS é que o Brasil continuará a informar os dados normalmente.

Ryan elogiou os balanços publicados pelo Brasil até então, segundo ele um dos mais detalhados divulgados diariamente em todo o mundo, mas ressaltou a importância de as publicações seja mantidas, não só para a OMS, mas para a população.

“Esperamos que a comunicação continue transparente e consistente”, disse Ryan em entrevista coletiva concedida hoje. “Os brasileiros precisam entender onde o vírus está e como administrar os riscos”.

As mudanças feitas pelo Ministério da Saúde repercutiram em todo o mundo. A Universidade Johns Hopkins, referência global nas estatísticas sobre a pandemia, chegou, no sábado, a retirar o Brasil de sua contabilidade de casos de covid-19. No mesmo dia, a plataforma da instituição voltou a exibir os dados referentes ao país.

A Johns Hopkins não se manifestou sobre o motivo da interrupção, mas o episódio ocorreu após o governo alterar a forma de apresentar os dados do país. Os números do Ministério da Saúde são a referência da universidade americana.

Pessoas com máscaras em Valparaíso, a 40 km de Brasília

Eraldo Peres/AP