Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,91
    +0,77 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.834,50
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    35.856,43
    +453,15 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    829,94
    +587,26 (+241,99%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.272,60
    -249,66 (-0,91%)
     
  • NASDAQ

    14.543,25
    +116,75 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1786
    -0,0114 (-0,18%)
     

OMS pede mais proteção para crianças de 5 a 14 anos, as mais afetadas pela Covid-19 na Europa

·2 min de leitura

Diante do recrudescimento da pandemia de Covid-19 na Europa, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um apelo nesta terça-feira (7) por mais proteção das crianças, atualmente a parcela da população mais afetada pela infecção viral nos países europeus. A França confirma esse fenômeno. Entretanto, na avaliação da OMS, a vacinação obrigatória para todos deve permanecer como "último recurso" contra o vírus.

Para evitar o fechamento de salas de aula, devido à presença de alunos contaminados pelo coronavírus, e o retorno da educação à distância, a direção regional da OMS na Europa recomenda a intensificação dos testes nas escolas e a vacinação de crianças em idade escolar.

“O uso de máscaras de proteção e a ventilação das salas, assim como a realização frequente de testes de diagnóstico, devem ser a regra em todas as escolas primárias", disse o diretor regional da OMS, Hans Kluge, em uma entrevista coletiva online. "A vacinação de crianças deve ser discutida e considerada em nível nacional, a fim de proteger as escolas”, acrescentou o representante da OMS.

De acordo com a agência da ONU, os casos de Covid-19 têm aumentado em todas as faixas etárias, "com as taxas mais altas observadas, atualmente, entre as crianças de 5 a 14 anos". "Não é incomum hoje ver uma taxa de incidência duas a três vezes maior da Covid-19 em crianças pequenas do que na população total", afirmou Kluge.

"A ômicron está em ascensão e existem motivos para estarmos preocupados e cautelosos. Mas o problema, agora, é a delta. O sucesso que tivermos contra a delta, hoje, será uma vitória contra a ômicron amanhã", antes que os casos da nova variante aumentem de forma maciça, concluiu Kluge.

Com informações da AFP


Leia mais

Leia também:
Covid-19: Dinamarca registra 183 casos da ômicron, que poderia causar menos casos graves
OMS desaconselha tratamento com plasma sanguíneo para Covid-19
Vacinação de crianças, novas restrições e casas noturnas fechadas: como será o fim de ano na França

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos