Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.030,32
    +123,02 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

OMS mantém nível de alerta máximo para a varíola dos macacos

A varíola dos macacos (monkeypox) continua a ser um risco e representa uma emergência de saúde global. É o que definiu, nesta terça-feira (1), o Comitê de Emergências do Regulamento Sanitário Internacional, associado à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dessa forma, o atual surto de monkeypox mantém a classificação de Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (Pheic), emitida pela primeira vez em julho deste ano. Este é o nível de alerta máximo e mais alto da OMS para doenças, e continua a ser adotado para classificar a covid-19.

Desafios para o controle da varíola dos macacos no mundo

Varíola dos macacos continua a ser uma emergência de saúde global, segundo a OMS (Imagem: Twenty20photos/Envato)
Varíola dos macacos continua a ser uma emergência de saúde global, segundo a OMS (Imagem: Twenty20photos/Envato)

Apesar de manter a atual classificação de risco, o Comitê reconhece, em comunicado, que progressos foram feitos na resposta global à varíola dos macacos em vários países. Inclusive, é possível observar um "declínio promissor" no número de novas notificações na maioria dos países.

No entanto, "o progresso [da resposta à monkeypox] nas regiões das Américas e da África está menos claro". Em alguns países, os casos ainda estão aumentando. Nestas regiões, também há o risco de subnotificações.

Além disso, os especialistas observam a concomitância epidemiológica de monkeypox, do HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis. Este cenário contribui "com os desfechos graves e mortes mais frequentes em pessoas vivendo com HIV que são imunocomprometidas e/ou que não recebem tratamento antirretroviral, especialmente em ambientes carentes e com poucos recursos".

No momento, "o Comitê expressa profunda preocupação com as desigualdades contínuas e emergentes na resposta ao surto e observa a necessidade de mecanismos, compromissos e ações que garantam a equidade no acesso a diagnósticos, terapêuticas e vacinas", completa a nota.

Casos da monkeypox contabilizados pela OMS

No último levantamento da OMS, foram contabilizados mais de 77,2 mil casos oficiais da monkeypox, espalhados pelo globo. Estes são os seis países que mais registraram casos oficiais neste ano:

  • Estados Unidos: 28,3 mil casos da varíola dos macacos, sendo 6 mortes;

  • Brasil: 9,1 mil casos, sendo 8 mortes;

  • Espanha: 7,3 mil casos, sendo 2 mortes;

  • França: 4 mil casos, sem mortes registradas;

  • Reino Unido e Alemanha: 3,6 mil casos, cada. Nenhuma das nações registrou mortes.

No ranking geral da OMS, o Brasil é o segundo país em número total de casos da varíola dos macacos, mas ocupa a primeira posição em óbitos pela doença. Até o momento, os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo já registraram mortes em decorrência da infecção.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: