Mercado abrirá em 2 h 32 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,48
    -0,37 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.841,60
    -7,30 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    31.388,54
    -308,67 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    631,12
    +3,46 (+0,55%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.453,86
    -113,51 (-1,73%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.945,00
    -160,50 (-1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Um ano após primeira morte na China, OMS inicia investigação sobre origem do coronavirus

·1 minuto de leitura
Foto: NICOLAS ASFOURI/AFP via Getty Images
Foto: NICOLAS ASFOURI/AFP via Getty Images

A equipe de especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) designada para investigar as origens da pandemia de Covid-19 chegará à China na próxima quinta-feira (14), confirmaram autoridades do país nesta segunda (11).

A falta de autorização de Pequim atrasou a chegada da aguardada missão, no que o ministro das Relações Exteriores da China chamou de "mal entendido".

Leia também

A Comissão Nacional de Saúde, que anunciou a data, havia postergado a chegada da equipe, marcada inicialmente para o início de janeiro, e não deu detalhes de qual será o itinerário da missão da OMS no país.

O diretor-geral da organização da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, elogiou a notícia. "Estamos ansiosos para trabalhar juntos com os nossos pares [chineses] nesta missão importante para identificar a origem e sua introdução na população humana", escreveu ele no Twitter.

Antes, quando os especialistas foram barrados de entrar no país, no início do mês, forçando dois membros da equipe a retornar, Tedros havia dito estar "muito desapontado".

A China tem sido acusada de encobrir o atraso na reação inicial à pandemia, permitindo a disseminação do vírus, registrado pela primeira vez na cidade de Wuhan, no final de 2019.

Os EUA pedem uma investigação transparente liderada pela OMS e criticaram os termos da missão, que permitiu a participação de cientistas chineses na primeira fase da pesquisa preliminar.

Pequim tem buscado moldar a narrativa de quando e onde a pandemia começou. Um diplomata sênior, Wang Yi, por exemplo, afirma que "mais e mais estudos" mostram que o patógeno emergiu em diversas regiões.

Um especialista em saúde ligado à OMS disse que a expectativas de que a missão chegue a uma conclusão após a viagem à China devem ser "muito baixas".

***Da Folhapress