Mercado fechará em 6 h 37 min

OMS destaca importância da transparência nos dados da COVID-19 no BR

Fidel Forato

Nesta segunda-feira (8), Organização Mundial da Saúde (OMS) defende necessidade de "transparência" ao Brasil na divulgação de dados sobre o novo coronavírus (SARS-CoV-2), em coletiva de imprensa. Esse pronunciamento da OMS está ligado à recente alteração no formato em que são divulgadas as informações da doença pelo Ministério da Saúde. 

"É muito importante que mensagens sobre transparência sejam consistentes, para que possamos confiar nos nossos parceiros. É mais importante ainda para os cidadãos, que precisam entender como lidar com o vírus. Queremos que qualquer confusão possa ser resolvida agora, e que o governo e os Estados possam continuar fornecendo dados de forma consistente para seus cidadãos. Continuaremos apoiando o governo brasileiro para controlar essa doença o mais rápido possível", comentou o diretor do programa de emergências da OMS, Michael Ryan.

OMS alerta sobre necessidade transparência nos dados da COVID-19 (Foto: Kim Kyung-Hoon/Reuters)

Notificações da COVID-19

"Possuímos dados extremamente detalhados do Brasil. Alguns desses dados recebidos diariamente, inclusive, estão entre os mais detalhados e atualizados do mundo. Realmente esperamos que isso continue. É um país muito grande, com uma população muito diversa e vulnerável, principalmente nas áreas urbanas e indígenas", defendeu Ryan, durante a coletiva.

Embora o diretor tenha afirmado que a OMS estava satisfeita com a forma atual como recebe os dados, por parte do País e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Ryan alerta sobre as novas notificações da COVID-19 no Brasil que estão sendo feita de maneira "desagregada" da população. 

A situação vem ocorrendo desde quarta-feira passada (3), quando a atualização diária da COVID-19 só foi feita após às 22 horas. Além disso, a plataforma do Ministério da Saúde, que continha números detalhados sobre a doença no país, ficou fora do ar por um dia, entre quinta e sexta-feira. Quando retornou, exibia apenas dados de casos, mortes e recuperados nas últimas 24 horas.

Segundo o próprio Ministério da Saúde, uma nova plataforma sobre a situação da COVID-19 será lançada ainda esta semana no Brasil, focando na análise de casos e mortes por data de ocorrência.

América Latina

Durante a fala de hoje, a OMS retomou a sua preocupação com o avanço da pandemia do novo coronavírus dentro da América Latina. Isso porque muitos países da região enfrentam graves problemas com a COVID-19, como pressão nos sistemas de saúde públicos e escassez de leitos de UTI, além de "medo e confusão" nas comunidades.

"Neste momento, a epidemia nas Américas Central e do Sul é a mais complexa entre todas as situações que enfrentamos globalmente. O mundo precisa dar o suporte necessário a esses países, para ajudá-los a lidar com os impactos da pandemia", explicou o diretor.

"O que temos visto do México até o Chile é um padrão de aumento em toda a América Latina, com algumas exceções notáveis. Mas eu acho que esta é uma época de grande preocupação, uma época em que precisamos de grande liderança governamental na América Latina. Precisamos de solidariedade internacional forte nos países da América Latina e de liderança de dentro para colocar esta doença sob controle", afirmou.


Fonte: Canaltech